A situação da presidente #Dilma Rousseff está cada vez mais delicada, com a aprovação da comissão especial do Senado que vai julgar o seu processo de #Impeachment.

Segundo pesquisas feitas pelos principais jornais do país, a oposição tem votos necessários para tirar Dilma do governo, por 180 dias.

As piores avaliações para a presidente são os dos jornais Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo, que confirmam 50 senadores a favor do impeachment, sendo 21 contra.

Perante essa situação, Dilma já argumenta a possibilidade de novas eleições gerais, segundo o jornal O Estado de São Paulo. Ministros próximos da presidente afirmam que não terá mais governabilidade mesmo que vencer o impeachment.

Publicidade
Publicidade

A maioria do diretório do PT aprova a resolução, assim vetaria o vice-presidente Michel Temer e ainda aproximaria parte do PSDB que vai fazer oposição num eventual governo Temer.

De fato, mesmo que Dilma ganhasse o impeachment, iria encontrar dificuldades para governar o país. Os opositores continuariam a criar muito mais empecilhos e assim ela não teria condições de dar continuidade ao governo.

Além disso, o povo continuaria a clamar pela sua saída. Seria uma queda de braço insuportável.  

Por outro lado, Michel Temer, caso venha assumir a Presidência da Republica, deverá encontrar maior resistência, pois o PT será o seu maior opositor.

Mas o maior problema de Michel Temer será o povo. De um lado os petistas não o aceitarão, pois consideram traidor e golpista e não descansarão enquanto não tirarem Temer do governo.

Publicidade

E também os que lutam pela saída de Dilma, não o acatarão como presidente. Assim Michel deverá encontrar maiores dificuldades para governar o país.

Por outro lado, Michel Temer está envolvido em denuncias de #Corrupção, em delações da Lava Jato, com seu nome citado várias vezes no desenrolar do processo da Camargo Correia e Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados (PMDB-RJ) réu no Supremo Tribunal Federal, acusado de corrupção na Operação Lava Jato e deverá ter seu mandato cassado pela Comissão de Ética.