A articulação do governo demonstra um posicionamento favorável à presidente Dilma Rousseff. Através de negociações, o governo monta sua base para impedir o processo de #Impeachment, que segundo grande parte dos brasileiros, é considerado golpe por não haver base jurídica.

Governo se fortalece a cada dia

'Uma guinada a esquerda' é o que os otimistas esperam da reação do governo, que sofre o pedido de impeachment. Atendendo aos otimistas ou não, a presidenta Dilma Rousseff anunciou hoje no Diário Oficial da União  (DOU), a nomeação de Jandira Feghali do PC do B, como vice-liderança do governo.

Jandira é uma deputada fluente e com muita experiência política, já está no seu sexto mandato como deputada federal.

Publicidade
Publicidade

A parlamentar é vista sempre ao lado de Dilma e Lula, como uma grande apoiadora do governo social que o PT instaurou no Brasil.

A deputada federal possui voz ativa no congresso e defende pautas como a democratização do acesso a universidade, o bolsa-família e a democratização dos veículos de informação no Brasil.

Jandira faz parte da base do governo e defende a não realização do impeachment. Em diversos vídeos na internet, a deputada é incisiva em suas declarações e pautas que defende. Para Dilma, Jandira é uma verdadeira aliada e assume a vice-liderança do governo em boa hora.

Jandira defende a democracia e é contra o impeachment

O pedido de impeachment está sendo negociado com cada deputado federal, onde metade se posicionou ainda como indecisos, caso o pedido chega a votação. Na segunda-feira (4), foi a vez de Cardozo, advogado geral da União, defender a presidenta na Comissão especial que analisa o pedido de impeachment.

Publicidade

O advogado alegou que pedido de impeachment sem fundamentação jurídica é golpe sim. Afirmando que nenhum presidente pode ser afastado somente por motivos políticos.

Dilma Rousseff procura em sua base fragilizada apoios para a formação da frente que impedirá o curso do pedido de impeachment. Diversos veículos apontam vantagem a oposição, outros ao governo, o que se sabe é que a oposição precisa de dois terços dos parlamentares para que o processo chegue ao senado. #Manifestação #Lava Jato