Na última terça-feira, dia 12 de Abril, o jornal norte-americano The New York Times publicou um artigo comentando a votação do relatório de #Impeachment da presidente #Dilma Rousseff e reforçaram que a atual presidente do país é uma das raras figuras políticas que não tem acusações de enriquecimento ilícito.

A reportagem explicou o processo de impeachment, ressaltou os ânimos exaltados durante a votação finalizada por 38 (a favor) x 27 (contra) votos.

Em breve a votação será encaminhada para a Câmara dos Deputados, onde o impeachment passará adiante caso tenha dois terços dos votos, havendo um total de 513 deputados. Após isso, o processo é encaminhado pro Senado.

Publicidade
Publicidade

Caso o Senado seja favorável ao impeachment, a presidenta Dilma Roussef é afastada e o seu vice, Michel Temer, assume o poder do país.

O jornal NYT apontou que Dilma e seus assessores ressaltam que tal processo seria na verdade um golpe, o que também tem sido defendido por milhares de manifestantes, e também pela classe artística, à exemplo da atriz Letícia Sabatella e do cantor Chico Buarque.

O jornal ressaltou que a oposição da presidente no país é incapaz de acusá-la de por corrupção e estão alimentando o processo de impeachment por manipulação orçamental.

O New York Times ainda ressaltou o áudio vazado de Michel Temer, o vice-presidente que assumirá em caso do impeachment ser concreto. No áudio, Temer assume um discurso de triunfo, dando a impugnação do mandato de Dilma Rousseff como certo.

Publicidade

Se por um lado parte a oposição da presidente defende o impeachment da mesma, outra parte da oposição fala em novas eleições, à exemplo do partido REDE, liderado por Marina Silva, que atualmente assume posições notáveis em pesquisas com cenários simulados de possíveis eleições presidenciais.

Ainda à respeito da comissão do Impeachment, o site Transparência Brasil levantou a informação de que 36 dos 65 deputados que fizeram parte do processo, já responderam ou respondem processos judiciais. Além disso, a maioria dos que tiveram ou tem envolvimento em processos, votaram a favor. #Governo