O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação #Lava Jato, da Polícia Federal, participou de uma palestra voltada para estudantes brasileiros que vivem no exterior, na cidade de Chicago, nos Estados Unidos. A palestra foi organizada pela Brasa (Associação de Estudantes Brasileiros no exterior). Durante o evento, Sérgio Moro se pronunciou sobre as investigações da Operação Lava Jato a respeito do escândalo de desvios de dinheiro público, provenientes dos cofres da Petrobrás. De acordo com o juiz, o esquema de pagamento de propinas, através de contratos fraudulentos, era sistêmico, onde se verificava que "a #Corrupção era a regra do jogo", de acordo com afirmações dadas à PF, a partir de delatores do esquema, conforme afirmou o magistrado.

Publicidade
Publicidade

Moro também argumentou que o grande problema não é somente a deterioração do quadro econômico do País, mas sim, algo ainda pior, "a erosão da confiança popular, tanto na democracia, quanto às regras da lei".

Polêmica da divulgação dos grampos

O juiz paranaense foi questionado sobre a legalidade das gravações dos áudios, principalmente, em referência aos diálogos captados entre o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva e a atual mandatária do país, Dilma Rousseff. O juiz preferiu não se pronunciar, já que não teria total liberdade para relatar sobre algo que ainda esteja pendente e que suas informações já são públicas. O juiz admitiu, porém, confiança total em sua decisão.

Manifestações de rua

O juiz titular da Lava-Jato se expressou ainda sobre as manifestações de rua que tomaram conta do país recentemente.

Publicidade

De acordo com o magistrado,"as instituições democráticas estão funcionando bem no Brasil, e as manifestações de rua são vistas com bons olhos, por apresentarem caráter pacífico", disse. O juiz não hesitou em criticar a enorme corrupção a ser desvendada nas investigações e foi categórico ao dizer que "assusta a corrupção disseminada no Brasil". O juiz acrescentou ainda, que há lentidão no julgamento de processos no STF, já que a Corte tem que se debruçar em diversas funções, além de julgar políticos com foro privilegiado. Ao final da palestra, o magistrado foi aplaudido de pé pelos convidados no evento. #Governo