A conjuntura política no Brasil, a crise desenfreada e a possibilidade de um desfecho do governo Dilma Rousseff, a partir da análise do Senado Federal que julga a admissibilidade do processo de impeachment na Comissão Especial instalada na Casa legislativa, ganham tons de dramaticidade para o Planalto e aliados petistas. A tática petista consiste num forte apoio do ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva a movimentos que possam desencadear transtornos ao país, além de ser o principal interlocutor entre grupos organizados e supostamente sustentados pelo #Governo - de acordo com a revista Isto É -, como por exemplo: o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), entre outros grupos, como movimentos ligados aos sem-teto, a Central Única dos Trabalhadores e a União Nacional dos Estudantes, ligados às pautas de esquerda.

Publicidade
Publicidade

O ex-presidente Lula, em sintonia com a presidente #Dilma Rousseff, pretendem assinalar a "política de terra arrasada" que almeja dificultar ao máximo a eventual transição de governo, se o Senado Federal julgar procedente o afastamento da mandatária, e consequentemente, o vice-presidente Michel Temer assuma o comando do país. Não obstante, as ações do PT não levam em conta o desemprego no país, já que mais de 11 milhões de brasileiros estão sem trabalho, além da deficiência  dos sistemas da saúde e educação, tornando a população brasileira, majoritariamente dependente de serviços públicos, refém da grave crise enfrentada no atual momento do Brasil.

Tática de guerrilha

A estratégia petista, sob orientação de Lula, é inviabilizar de todos os modos, o eventual governo de Michel Temer.

Publicidade

Ainda de acordo com a revista Isto É, o  ex-mandatário age em conluio com movimentos sustentados pelo governo, e as ações programadas refletem a tentativa de alavancar protestos desses movimentos, através de arruaças e além disso, incendiar as ruas. Lula, na última segunda-feira (25), em reunião com Dilma bradou: "Vamos infernizar o Temer. Agora é guerra", conclamou, de modo contundente. Já na quinta-feira (28), os movimentos aliados do PT e do governo, MST e MTST, demonstraram ter compreendido o recado e já promoveram manifestações país afora, queimando pneus, e ações de paralisação de rodovias e estradas, causando enormes transtornos para a população. Porém, vale indagar qual será a resposta das autoridades para coibir abusos e evitar que o país se torne um verdadeiro caos.