Paulo Maluf (PP-SP) deverá votar a favor do #Impeachment na próxima segunda-feira, 11, quando os 65 deputados pertencentes à Comissão Especial da Câmara apreciarão o parecer do impedimento da presidente #Dilma Rousseff. O ex-governador de São Paulo admitiu nessa semana que votará a favor por conta de divergências com o próprio partido.

Segundo ele, Ciro Nogueira, senador pelo Piauí e presidente do PP, negociou diretamente cargos e nomeações com o governo federal em troca do vota contra o impeachment. Insatisfeito com a postura do mandatário da sigla, Maluf peitou o próprio partido e garantiu que votaria contra, até como forma de mostrar que não participou da "negociata" de cargos.

Publicidade
Publicidade

O veterano político, até então, se mostrava indeciso.

Caso o processo de impeachment receba 34 votos favoráveis entre os deputados na próxima segunda, ele ganha maioria e com isso vai ao Senado Federal ter a sua devida sequência. Se o caminho do processo indicar a saída de Dilma Rousseff, naturalmente quem assume é o seu vice-presidente, Michel Temer, do PMDB, a quem Maluf teceu importantes elogios.

"Eu conheço o Michel Temer há 30 anos. Tenho certeza que faria um grande governo. Ele é honesto, íntegro e competente", elogiou Maluf.