Para alguns, trata-se do grande mentor do "golpe". Para outros, o justiceiro e fiel defensor da Constituição Federal. Dentro dessa dicotomia que envolve a figura de #Eduardo Cunha (PMDB - RJ), presidente da Câmara dos Deputados e responsável por aceitar o pedido de #Impeachment da presidente #Dilma Rousseff, o deputado federal pelo PSC de São Paulo, Marco Feliciano, tem uma postura clara: apoia com todas as suas forças as decisões de Cunha.

Polêmico e conhecido por suas opiniões contrárias ao aborto e ao casamento de pessoas do mesmo sexo, Feliciano tem adotado discurso absolutamente a favor do impedimento da presidente.

Publicidade
Publicidade

Ele votou de forma favorável ao parecer do relatório do deputado Jovair Arantes (PTB - GO), relator da Comissão Especial do impeachment, que indicou a admissibilidade do processo.

Em entrevista concedida à BBC Brasil, Feliciano reforçou o seu desejo de ver o Partido dos Trabalhadores (PT) deixando o governo federal. Além disso, fez um elogio bastante curioso ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que constantemente é tido como vilão e responsável pelo impeachment.

"Bom, parece que todo mundo adora chamar o Eduardo Cunha de malvado, não é? Então, ele até pode ser malvado, mas para mim é o malvado favorito. Digo isso porque foi ele quem colocou o processo de impeachment da Dilma para andar", explicou Feliciano.

"Qualquer coisa é melhor que o PT"

Marco Feliciano aproveitou a entrevista para disparar fortes críticas contra o partido governante.

Publicidade

Perguntando sobre como veria a composição de um novo governo, ele despistou e disse que "qualquer coisa é melhor que o PT". A tendência é que Feliciano dispute as eleições municipais para a Prefeitura de São Paulo em 2016 pelo PSC.

"O meu sonho primário, nesse exato momento, é ver o PT perder o comando do governo. Então este é meu sonho. A partir daí, será lucro qualquer coisa que vier pela frente. Não estou dizendo que defendo e quero o Temer, apenas acho que nesse momento qualquer coisa vai ser melhor que o atual governo", disse.