Durante uma entrevista exclusiva concedida ao jornalista Kennedy Alencar, que foi ao ar no SBT Brasil, na noite desta quinta-feira, 28 de abril, o vice-presidente da república confirmou que, ao contrário do que muitos propagam, ele não cortará benefícios sociais importantes, como o Bolsa Família, por exemplo.

Segundo ele, na entrevista que foi gravada no celular do jornalista e a primeira que concedeu a um veículo após a aprovação da abertura do processo de impeachment da presidente #Dilma Rousseff, enquanto existir a pobreza no país, é impossível mexer nos programas sociais.

Ao ser questionado sobre o fim da reeleição, Temer disse ser totalmente favorável.

Publicidade
Publicidade

Ele destacou que não está preocupado com um mandato futuro e que sua meta é colocar o Brasil de volta aos trilhos e acabar com a briga de brasileiros contra brasileiros.

Embora criticado duramente pela presidente Dilma Rousseff, o peemedebista comentou que sua posição em relação a ela é de total respeito e que os brasileiros devem se portar da mesma maneira. Para Temer, exercendo a presidência ou fora dela, Dilma merece ser respeitada por todos os brasileiros.

Para Michel Temer a palavra crise deve ser substituída por trabalho e investimento

O vice-presidente destacou que os brasileiros devem evitar falar a palavra crise. De acordo com ele, ao invés de ficar propagando esse nome, o melhor a se fazer é trabalhar ou investir, pois só assim se combate a crise de forma eficaz.

Temer ainda disse acreditar que o Brasil voltará a viver um clima de otimismo e o povo resgatará a alegria que sempre marcou o país.

Publicidade

Respeito às manifestações

A crescente onda de protestos contra o impeachment de Dilma Rousseff que vem sendo registrado pelo país, como bloqueio de vias importantes de acesso, não assustam Temer.

Ele disse que todos têm direito de se manifestar, desde que o façam em ordem e sem depredar o patrimônio público. Nesta quinta-feira, 28 de abril, foram realizados protestos em mais de oito lugares no país. Houve confronto de manifestantes e policiais em alguns deles. #Michel Temer #Crise-de-governo