O juiz federal que comanda as investigações da Operação #Lava Jato em primeira instância, Sérgio Moro, participou de um seminário para estudantes brasileiros na universidade de Chicago, nos Estados Unidos, nessa sexta-feira (8).

Durante o evento, ele fez várias declarações importantes, entre elas ele disse que o Brasil não tem outra alternativa a não ser continuar as investigações de #Corrupção mesmo que isso gere mais instabilidade política.

Moro também afirmou que o Brasil deve enfrentar o problema agora e não varrer as coisas erradas para “debaixo do tapete”, pois mais a frente esses problemas podem voltar em escala muito maior.

Publicidade
Publicidade

Moro disse que a Lava Jato começou com um “fiapo de prova” até revelar uma corrupção sistêmica na Petrobras

O juiz explicou aos presentes que a operação Lava Jato começou com um “fiapo de prova” até se desenvolver e descobrir uma enorme e sistêmica rede de corrupção na Petrobras, onde a principal regra era o pagamento de propina.

Ele lamentou que as investigações trouxeram enormes custos descobertos nos casos de corrupção, dos prejuízos financeiros que giram em torno de US$ 6 bilhões, ao impacto na imagem do Brasil no exterior e também no impacto gerado na autoestima dos brasileiros.

Disse que “não acertou em todas” mas que suas decisões são sempre baseadas na lei

Sérgio Moro admitiu que cometeu equívocos durante as investigações da operação Lava Jato, mas afirmou que suas decisões sempre são baseadas naquilo que está escrito na lei.

Publicidade

Ele não detalhou os eventuais erros que cometeu, porém ele disse que a justiça está funcionando e que recursos podem ser interpostos.

“Eventuais decisões minhas ou de qualquer outro juiz podem ser revisadas se equivocadas”.

Ele criticou o foro privilegiado e disse que no Brasil quanto maior o poder, maior o privilégio

Moro expôs seu ponto de vista em relação aos privilégios de quem tem foro privilegiado. Ele citou “uma sabedoria das histórias em quadrinhos” e fez uma comparação, nos quadrinhos “quanto maior o poder maior as responsabilidades” mais no Brasil acontece o oposto, quanto maior o poder, maiores são os privilégios.

Ao final de sua palestra ele se declarou avesso à fama que ganhou entre os brasileiros e disse que sua única pretensão ao final de todas as investigações da Lava Jato é tirar longas férias.

 

 

  #Polícia Federal