Recentemente o New York Times publicou um artigo falando sobre o processo de #Impeachment e sobre a corrupção na política brasileira. Os olhares do mundo todo estão voltadas para a sétima maior economia mundial, qualquer mudança decisiva no Brasil reflete em todo o cenário econômico mundial, afetando diversos acordos comerciais.

Comissão da ONU defende DIlma Rousseff

O processo de impeachment está polarizado entre os favoráveis e os não favoráveis. Quem defende a permanência de #Dilma Rousseff chama o impeachment de 'golpe'. Essa tentativa foi bem clarificada pela nota divulgada pela ONU, logo após a Dilma falar em um Congresso realizado pela organização.

Publicidade
Publicidade

Organização das Nações Unidas cita mídia brasileira em nota

A nota foi divulgada pela Comissão Econômica Para a America Latina e Caribe - CEPAL, logo após o pronunciamento da presidente Dilma Rousseff durante uma conferência em Nova York. Muitos temiam que a presidente dissesse algo sobre o 'golpe' que está em curso, Dilma inclusive foi proibida pelo Supremo Tribunal Federal - STF, de falar sobre golpe nas redes sociais.

A presidente falou de forma sucinta durante a conferência sobre o perigo que a democracia está correndo. E parece que todos estão observando o que acontece no Brasil. Na nota divulgada pela CEPAL, a comissão da ONU atacou diretamente a mídia brasileira, que também é alvo de protestos por todo o país. É comum também vermos coros e manifestantes com cartazes contra a Globo, que hoje representa o poder hegemônico da mídia brasileira. 

A ONU é reconhecida internacionalmente por ser a maior organização entre os países de todo o globo terrestre.

Publicidade

A organização é responsável pelo diferentes atividades e acordos entre os países-membros, sendo a prioridade da ONU, a paz internacional atuando em diversas frentes em todo o mundo. Na nota divulgada pela CEPAL, é evidente que o mundo percebe como a mídia detém um poder deliberativo no Brasil, ''...servindo-se de vazamentos e de uma ofensiva midiática linchatória...'', excluindo qualquer dúvida sobre os interesse da mídia que tende a ser parcial no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.  #Manifestação