Um levantamento feito pelo portal Transparência Brasil mostrou que mais da metade dos deputados federais que compõem a Comissão Especial do #Impeachment, 36 dos 65 deputados, respondem ou já responderam processos judiciais, inclusive o presidente da comissão (Rogério Rosso PSD-DF) e o relator do impeachment (Jovair Arantes PTB-GO).

Alguns até já foram condenados por crimes de prestações de contas eleitorais, questionamentos em licitações, ações de improbidade administrativa e lavagem de dinheiro.

Confira a lista de deputados que possuem processos judiciais e que integram a Comissão de Impeachment #Governo #Dilma Rousseff

  • Orlando Silva (PC do B- SP) – ex-ministro dos esportes, respondeu processo por prestações de contas eleitorais.
  • Flavio Nogueira (PDT-PI) – responde processo por prestação de contas eleitorais enquanto era responsável pelas contas do diretório estadual do PDT.
  • Weverton Rocha (PDT-MA) – responde ação imposta pelo Ministério Público por crimes em licitações, crimes de peculato, corrupção passiva e ativa e ações de improbidade administrativa.
  • Junior Marreca (PEN-MA) – é investigado por emprego irregular de verbas ou rendas públicas e ações de improbidade administrativa.
  • Leonardo Picciani (PMDB-RJ) – responde processo em segredo de justiça sobre captação e gastos ilícitos na campanha eleitoral de 2014.
  • Valtenir Pereira (PMDB-MT) – investigado por crimes da lei de licitações.
  • Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) – investigado pela operação Lava Jato, sendo que responderá por crimes de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.
  • Roberto Britto (PP-BA) – também é investigado na operação Lava Jato.
  • Édio Lopes (PR-RR) – responde processo de peculato por desviar dinheiro público em proveito próprio ao indicar três servidores para seu gabinete sem exigir prestação de serviços.
  • Paulo Magalhães (PSD-BA)- responde processo penal sobre falso eleitoral na prestação de contas da campanha de 2010.
  • Benedita da Silva (PT-RJ) – terá que responder ação por ato lesivo ao patrimônio estético, artístico, histórico ou turístico.
  • Arlindo Chinaglia (PT-SP) – é alvo de ação civil pública imposta pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.
  • José Mentor (PT-SP) – investigado pela Operação Lava Jato.
  • Paulo Teixeira (PT-SP) – investigado por contas eleitorais de 2010 desaprovadas.
  • Vicente Candido (PT-SP) –  é acusado de corrupção ativa.
  • Jovair Arantes (PTB-GO) – investigado na prestação de contas nas eleições de 2012 e 2006 e responde também por improbidade administrativa.
  • Bacelar (PTN-BA) – é alvo de inquérito por crime de peculato, réu em ação civil de improbidade administrativa.
  • Mendonça Filho (DEM- PE) – responde por prestação de contas.
  • Leonardo Quintão (PMDB-MG) – investigado por improbidade administrativa.
  • Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) – investigado por prestação de contas.
  • Mauro Mariani (PMDB-SC) – responde ação por improbidade administrativa.
  • Osmar Terra (PMDB-RS) – investigado pelo Tribunal de Contas – RS.
  •  Jerônimo Goergen (PP-RS) – investigado na Lava Jato.
  • Júlio Lopes (PP-RJ) - apropriação indébita previdenciária.
  • Paulo Maluf (PP-SP) – diversos processos de lavagem de dinheiro, crime eleitoral, falsidade ideológica, entre outros.
  • Alex Manente (PPS-SP) – investigado por crimes eleitorais e improbidade administrativa.
  • Marcelo Squassoni (PRB-SP)- réu por improbidade administrativa
  • Danilo Forte (PSB-CE) – investigado por improbidade administrativa.
  • Marco Feliciano (PSC-SP) – crime eleitoral, por empregar funcionários que não cumprem expediente e processos por danos morais.
  • Marcos Montes (PSD-MG) – responderá por improbidade administrativa
  • Rogério Rosso (PSD-DF) – responderá por corrupção eleitoral.
  • Nilson Leitão (PSDB-MT) – crimes de corrupção passiva, crimes de responsabilidade entre outros.
  • Shéridan Estérfany (PSDB-RR) – investigado por improbidade administrativa.
  • Jovair Arantes (PTB-GO) – prestações de contas eleitorais.
  • Fernando Francischini (SD-PR) – réu por improbidade administrativa.
  • Paulinho da Força (SD-SP) – réu por lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, peculato entre outros.