O advogado Antonio Cláudio Mariz de Oliveira pode ser o novo ministro da Justiça, em um eventual governo de Michel Temer. Mariz, diz que é preciso acabar com essa história de que um novo #Governo irá atrapalhar a operação Lava Jato, pelo contrário, ele comentou que qualquer abordagem de ministros contra as autoridades da investigação, configuraria crime de concussão e prevaricação. O advogado ressaltou que valoriza muito o trabalho do juiz federal Sérgio Moro e dará todo apoio para que o juiz possa condenar os corruptos que destroem a imagem do país. "Quero que o juiz Sérgio Moro limpe a área", revelou Mariz. Antonio Mariz também disse que a Polícia Federal deveria combater com mais firmeza o crime organizado, que está crescendo no Brasil, e ter uma dedicação maior às investigações de crimes de colarinho branco.

Publicidade
Publicidade

O advogado lembrou que não foi chamado para ocupar nenhum cargo no governo federal, mas é amigo de Temer e quer ajudá-lo a construir um país melhor para o povo.

Mudanças na Previdência

Caso #Michel Temer assuma a presidência, várias são as mudanças propostas. Uma delas está ligada à Previdência. Uma das grandes prioridades do governo Temer seria estipular uma idade mínima para a aposentadoria. Essa reforma na aposentadoria daria um "choque" de ânimo nas pessoas e é discutida pelos senadores do PMDB que apoiam Michel Temer. Para isso, Temer precisaria do apoio de 308 deputados e do aval do Senado, mostrando que o Congresso está ao seu lado nas ideias propostas.

O presidente do PP, Ciro Nogueira, teve, esses dias, uma conversa secreta com Temer e ele pode indicar o presidente da Caixa Econômica Federal para participar do eventual governo.

Publicidade

Segundo interlocutores, Ciro era contra o impeachment de #Dilma Rousseff, porém, depois que ele percebeu que Gilberto Kassab, ministro das Cidades, não queria mais apoiar Dilma, ele (Ciro) resolveu recuar e ir contra à presidente petista.

Resistência do PT

O Partido dos Trabalhadores não cruzará os braços e promete lutar até o fim em proteção à presidente Dilma Rousseff. Caso Dilma seja afastada do cargo, o PT pretende transformar o Palácio da Alvorada num "bunker da esquerda", de acordo com parlamentar do partido. Na concepção do partido, Dilma tem o direito de continuar na residência oficial até o fim do seu julgamento.