Ruy Muniz, prefeito de Montes Claros, norte de Minas, recebeu uma homenagem no domingo (17) durante a votação do impeachment de Dilma Rousseff. Sua esposa, a deputada Raquel Muniz do PSD, no momento do voto, fez questão de dizer a todos que seu marido "mostra que o Brasil tem jeito", mas nesta segunda-feira (18) ele foi prezo pela #Polícia Federal.

O prefeito da cidade mineira estava em Brasília acompanhando a esposa e foi preso juntamente com Ana Paula Nascimento, secretária de Saúde de Montes Claros.

A deputada Raquel Muniz, em seu pronunciamento na hora do voto que foi pela abertura do processo de impeachment da presidente, disse que estava optando pelo "sim" para mostrar que o país tem uma saída e que o prefeito de Montes Claros é a prova disto, pois conta com uma gestão voltada para o município.

Publicidade
Publicidade

A Polícia Federal informou que o marido da deputada é suspeito de inviabilizar a existência de hospitais públicos e também filantrópicos que prestam atendimento à população através do SUS. Isso ocorre pois o prefeito não presta os serviços que deveriam ser realizados pela rede municipal. A intenção do prefeito seria, de acordo com a PF, beneficiar um hospital privado que é de propriedade de alguns dos seus familiares.

"Máscara da Sanidade II - Sabotadores da Saúde" foi o nome dado à operação que resultou na prisão do prefeito de Montes Claros, denunciado por dispensa indevida de licitação, suspeita de falsidade ideológica, prevaricação, peculato e também por estelionato.

A assessoria de comunicação da prefeitura do município de Montes Claros chamou a atitude da Polícia Federal de "absurda" e que fará de tudo para reverter a situação o mais rápido possível e que Ruy Muniz continua no cargo de prefeito da cidade mineira e que todos os órgãos funcionarão normalmente sem nenhum prejuízo ou atraso para o contribuinte.

Publicidade

A Polícia Federal ainda vai cumprir pelo menos mais 4 mandados de busca e apreensão na prefeitura da cidade mineira, na Secretaria de Saúde e também na casa dos envolvidos, sendo que novas prisões poderão ser feitas nas próximas horas. #Corrupção #Crise-de-governo