Um possível afastamento da presidente #Dilma Rousseff do seu cargo, em decorrência do processo de impeachment, está propiciando uma grande debandada de prefeitos petistas para outros partidos políticos. Estamos a seis meses das eleições municipais e o sistema de filiação do Tribunal Superior Eleitoral está mostrando que de cada cinco prefeitos do PT, que foram eleitos em 2012, um deixou o partido. Esse levantamento tem relação aos desligamentos concluídos até dia 15 de abril de 2016. Pediram desfiliação do partido, ou foram expulsos, 135 prefeitos dos 638 eleitos pelo PT. Os Estados de São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro foram os que sofreram mais desgastes da legenda.

Publicidade
Publicidade

Esses Estados são governados pelos partidos PSDB e PMDB. Há também desfiliação em Estados onde o governo é petista, como por exemplo, Bahia e Minas Gerais. Os números mostram o seguinte: em São Paulo, dos 73 prefeitos eleitos, 35 migraram para outro partido. No Paraná de 40 gestores, 18 saíram do partido. No Rio de Janeiro apenas 4 prefeitos se mantiveram fiéis ao partido (PT), os outros 11, já mudaram de rumo. Com a prisão do senador Delcídio do Amaral, as desfiliações do partido aumentaram muito também em Mato Grosso do Sul. Delcídio era o nome principal do partido no Estado. Cidades com mais de 500 mil habitantes também foram alvo da migração petista, como Osasco (SP) e Niterói (RG).

Crise no Brasil

Vários são os motivos dessa debandada petista para outros partidos: o país vive uma grande #Crise econômica, proporcionando um aumento da impopularidade de Dilma e a corrupção deflagrada nas operações da Lava Jato trouxeram decadência para o PT.

Publicidade

Os prefeitos se sentiram incomodados com essa situação e resolveram abandonar o partido. Carlos Melo, cientista político, comentou que a dificuldade das cidades renegociarem as suas dívidas com o governo federal e a imagem ruim do PT diante da Lava Jato, fizeram com que os prefeitos saíssem do partido para serem oposição, se tornando livres para criticarem os rumos tomados pelo governo. Há a possibilidade de mais pra frente deputados estaduais e federais também deixarem o partido. #Crise-de-governo