A Procuradoria-Geral da União constatou crimes de falsidade ideológica e documentos falsos cometidos pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Renan está sendo acusado de pagar a pensão de sua filha utilizando o dinheiro de uma empreiteira, caso as investigações se confirmem, há a possibilidade de uma punição. Foi encaminhado uma defesa ao advogado Luiz Edson Fachin pedindo esclarecimentos sobre os documentos enviados pela Procuradoria e também querendo se informar sobre quais documentos são considerados públicos e privados, se Renan for condenado. O tempo de reclusão mínimo varia de 5 a 6 anos. Renan já foi denunciado no mesmo inquérito por utilizar documento falso, falsidade ideológica e crime de peculato, isso há três anos atrás partindo da Procuradoria ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Publicidade
Publicidade

Investigação

Nesse inquérito contra Renan Calheiros, a Procuradoria aponta que foi utilizado o dinheiro de uma empreiteira para pagar a pensão de uma filha que Renan tem fora do casamento com a jornalista Mônica Veloso. O STF irá analisar se será aberto uma ação para transformar Renan em réu. Na investigação, foi averiguado que Renan recebeu dinheiro na venda de gado, porém o falso comprador negou esse esquema de documentos falsos, alegando que o dinheiro era para pagar a pensão de sua filha, porém o valor recebido na pensão era além das reais possibilidades de Renan. Por esses crimes, a condenação varia de 5 a 23 anos de cadeia.

Fraude tributária

Foi solicitado pela Procuradoria-Geral da União ao Supremo Tribunal Federal, em fevereiro, um novo inquérito para apurar o valor de R$ 5,7 milhões sobre o caso da pensão, já que a renda do senador não é compatível com a movimentação financeira,  suspeitando-se de crimes de peculato e lavagem de dinheiro considerando uma fraude tributária.

Publicidade

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli ainda não autorizou o recente inquérito, que está em segredo na justiça. Renan também é investigado sobre o caso de #Corrupção na #Petrobras, envolvendo-se em 9 inquéritos. #Governo