O Partido dos Trabalhadores, juntamente com Dilma, já está se mobilizando para conseguir as assinaturas suficientes para sua PEC - Proposta de Emenda à Constituição, no intuito de convocar uma nova eleição. Isso será feito imediatamente no caso do Congresso aprovar o impeachment de Dilma Rousseff.

Até este domingo (17), esta era uma ideia vaga, quase sem destaque nas reuniões do #PT, mas, agora, já é um dos principais assuntos e vem sendo defendida por todos os aliados do partido. Lula acreditava que seria capaz de conseguir o apoio necessário na Câmara dos Deputados para barrar o #Impeachment, mas, na manhã deste domingo, já não tinha mais tanta convicção.

Publicidade
Publicidade

O ex-presidente chegou a ir para São Paulo de onde acompanharia a votação, mas, por causa dos poucos votos prometidos a favor da presidente, ele voou novamente para Brasília e acompanhará tudo ao lado de Dilma e, tão logo a votação termine, eles irão se reunir com a direção do partido para tomarem as próximas decisões que deverão ser adotadas já nesta segunda-feira (18), independente de ter ou não a aprovação do impeachment.

Dilma sabe que, mesmo continuando na presidência, nada será mais como antes e ela vai ter que buscar novos aliados e também tentar reconquistar os antigos que a deixaram para votar a favor de sua retirada da presidência da república.

Wadih Damous, deputado pelo PT-RJ, informou que se o impeachment for decretado e passar pelo Senado, então o partido passará a lutar por eleições gerais porque não vão reconhecer o governo de Michel Temer e que o vice-presidente não tem condições morais e, muito menos, jurídicas para ser presidente do país.

Publicidade

Dilma já admitiu, na última semana, que aceitará uma proposta alternativa que venha do voto popular, já adiantando o assunto de ter eleições gerais, entretanto, há, dentro do PT, uma certa divergência sobre quando deveria haver esta eleição. Alguns acham que deve ser de imediato, mas outros apostam que é preciso esperar o clima esfriar, fazer uma campanha bem estruturada e, mais próximo do fim do ano, o brasileiro ir às urnas para deixar o seu voto.

O projeto de novas eleições vem sendo chamado, no Palácio do Planalto de "contragolpe" e os petistas prometem fazer de tudo para desestabilizar o governo de Michel Temer. #Crise-de-governo