Alvo de acusações de corrupção e um dos líderes no pedido de impedimento da presidente Dilma Rouseff, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sofre forte rejeição da população. Segundo pesquisas do Datafolha, divulgadas pelo jornal "Folha de S. Paulo", 77% dos brasileiros defendem a cassação do mandato do peemedebista.

De acordo com o levantamento, 11% se declararam contrários à cassação de Cunha e 9% não souberam ou não responderam ao questionamento.

Em relação à uma possível renúncia de #Eduardo Cunha, 73% dos entrevistados se mostraram favoráveis a este panorama. 15% disseram que ele não deveria renunciar e 12% não souberam responder.

Publicidade
Publicidade

Atualmente, Eduardo Cunha é investigado no Conselho de Ética da Câmara por quebra de decoro parlamentar e supostas mentiras à CPI da Petrobras quando declarou não ter contas não declaradas no exterior. No STF, o deputado é acusado de ter contas secretas na Suíça. Por fim, Cunha é um dos réus da Operação Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro.

Mesmo alta, queda de Dilma é apoiada por número menor

O Datafolha também perguntou aos entrevistados se eles achavam que os deputados deveriam votar a favor ou contra o afastamento da presidente #Dilma Rousseff. 61% foram a favor. 33%, contra.

Com relação a uma possível renúncia da petista, 60% dos questionados afirmaram que ela deveria renunciar e 37% foram contrários. 3% não souberam responder ou não opinaram.

O instituto ainda perguntou se os entrevistados eram a favor ou contra o #Impeachment do vice-presidente Michel Temer.

Publicidade

Os resultados foram: 58% a favor, 28% contra, 9% não sabem e 5% se mostraram indiferentes.

Sobre a avaliação do governo Dilma, 63% afirmaram que a atuação da presidente é ruim ou péssima, 24% avaliaram como regular e 13% como ótima ou boa.

A pesquisa foi realizada nos dias 7 e 8 de abril, em 171 municípios, e ouviu 2.779 pessoas. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Os resultados podem exceder ou ficar abaixo dos 100% devido a arredondamentos, segundo o instituto de pesquisa.