As mesmas 'pedaladas fiscais' que cometem a Dilma foram realizadas por diversos governadores em todo o Brasil. O governador Antonio Anastasia (PSDB-MG) que foi escolhido como relator do impeachment, assinou, durante seu último mandato como governador, 972 decretos em quatro anos. A presidente #Dilma Rousseff assinou somente quatro e sofre o pedido de #Impeachment.

Antonio Anastasia 'pedalou' quase mil vezes em quatro anos

Segundo informações divulgadas no site do PT e também aqui no Blasting News, dos 27 governadores dos estados do Brasil, 16 cometeram as tais 'pedaladas fiscais'. O senador representante de Minas Gerais, Antonio Anastasia foi escolhido pelo Senado para compor a comissão que analisará o pedido de impeachment sofrido pela presidente Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

Antonio Anastasia foi escolhido depois de mais de duas horas de discussão entre os senadores para escolher quem deveria ficar responsável pela relatoria do processo. O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) foi escolhido, mas teve cinco votos contrários, que representavam os partidos ligados ao governo, que eram contrários à nomeação de Antonio Anastasia para o cargo de relator do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Lindbergh Farias vai questionar senador sobre as 'pedaladas' em MG

Os dados foram reunidos pelo deputado federal Rogério Correa (PT) e organizados em um blogue intitulado Pedaladas do Anastasia. O parlamentar reuniu todos os decretos de LDO's que são as leis de diretrizes orçamentárias, as mesmas assinadas por Dilma em 2014.

O material foi entregue ao senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e será apresentado ao senador Antonio Anastasia que deverá justificar em sessão do senado, sobre as 'pedaladas' cometidas por ele enquanto governador.

Publicidade

Temer também pedalou enquanto foi presidente em exercício

Outro que também 'pedalou' por aí foi Michel Temer, o vice-presidente do Brasil do PMDB. Temer, em suas poucas vezes em exercício da presidência, assinou cinco decretos que autorizavam a liberação de recursos para diversas áreas.

Os militantes e a população que defendem a democracia e a permanência de Dilma no governo apontam para Anastasia, Temer e os demais governadores que já realizaram o procedimento conhecido como 'pedalada fiscal', como justificativa para que o impeachment da presidente Dilma Rousseff não seja julgado. Artistas pró-governo também atestam para o golpe, onde Dilma está sendo julgada por crimes que, na verdade, não são considerados crimes, pois se fossem, estariam muitos governadores a responder por 'pedaladas fiscais' também.

  #Crise-de-governo