A delação da dona da Agência Pepper, Danielle Fonteles, põe mais lenha na fogueira do governo Dilma. Danielle confirmou à justiça ter feito parte do esquema criminoso de repasses de recursos para as campanhas de #Dilma Rousseff, entre 2010 e 2014. A delação de Danielle é a que mais compromete Dilma, até agora. De acordo com a mesma, o assessor especial do Planalto, Giles Azevedo, foi quem idealizou todo o esquema. Giles é considerado o homem de confiança de Dilma Rousseff e foi quem colocou a presidente dentro do esquema de repasse de dinheiro ilícito para financiar suas campanhas.

Quem é Giles Azevedo

Segundo o senador José Agripino Maia (DEM), Giles era o intermediário que marcava reuniões entre a Presidente e seus 'colaboradores'.

Publicidade
Publicidade

De acordo com as declarações de Danielle, o assessor especial de Dilma, entrava em seu gabinete sem pedir licença. E foi por meio do assessor que empreiteiras como a OAS, Odebrecht e Andrade Gutierrez, abasteceram as campanhas do PT, repassando dinheiro para o caixa dois. As quantias repassadas no esquema ultrapassam R$ 58 milhões.

Delação de Danielle Fonteles

Em sua delação Fonteles menciona, além das empreiteiras acusadas na Lava Jato, outros fornecedores que teriam feito parte do esquema de repasse de propina, através de sua agência. Danielle cita a Caixa Econômica Federal, através da Agência de Publicidade Propeg e também o Ministério da Saúde. O que cresceu aos olhos dos procuradores, foram as vultuosas quantias e o destino delas. Fizeram parte do repasse ilegal, celebridades, blogs e jornalistas simpatizantes do PT.

Publicidade

Disse Fonteles que pagou o montante de R$20 mil mensais a Jefferson Monteiro, que criou o perfil da Presidente chamado de 'Dilma Bolada'. Em declaração à Isto é, a Propeg negou as acusações, alegando que em momento algum repassou dinheiro ilegal através da Pepper e que, entre 2011 e 2012, a Pepper realizou trabalho de marketing para o 'Ministério das Cidades' que, na época, era cliente da Propeg e também para a SECOM da Presidência da República, que também era cliente da Pepper. Disse ainda que os pagamentos feitos à Pepper nesse período, totalizam R$ 272 mil e foi somente esta  quantia que foi repassada para a Pepper. Segundo a revista, Giles Azevedo também negou participação em qualquer crime citado por Daniele Fonteles. #Crise-de-governo