Começaram no dia 28 de abril, quinta-feira, as audiências na Comissão Especial do Impeachment (CEI) do Senado Federal em Brasília. O primeiro dia foi marcado pela exposição dos autores do pedido de #Impeachment – aprovado pela Câmara dos Deputados no dia 17 de abril, domingo – os juristas Miguel Reale Jr. e a professora Janaína Paschoal.

A sessão durou 9 horas e os principais pontos defendidos por Janaína foi o que chamou de “3 pilares”: o esquema do Petrolão descobertos com a Operação Lava Jato, as ditas pedaladas fiscais cometidos no último ano da primeira gestão de Dilma Roussef, e alguns decretos presidenciais de crédito suplementar que não tiveram autorização do Congresso Nacional.

Publicidade
Publicidade

O bloco de apoio ao Governo Federal questionou os pontos expostos como “questões políticas”, ou seja, não tem sustentação constitucional para impedir a gestão da presidente eleita de forma democrática.

Segundo dia de audiência

O segundo dia de sessão teve início às 10h30 e ocorre com a exposição da defesa com o ministro José Eduardo Cardozo e argüição dos senadores, com direito a réplica e tréplica.

Próximas reuniões

Conforme anunciado pelo presidente da CEI, Raimundo Lira, as próximas reuniões ocorrerão na próxima semana: dia 2 de maio às 10h30, dia 3 às 9h e finda na quarta-feira, dia 4, quando a CEI apresentará o Relatório ao meio-dia.

Comissão Especial do Impeachment

A CEI é composta por 21 parlamentares e o mesmo número de suplentes e formam a seguinte estrutura:

- Bloco PMDB com 5 senadores dos quais o Presidente da CEI, Raimundo Lira (PMDB/PB);

- Bloco Parlamentar da Oposição com senadores dos partidos PSDB, DEM e PV, dos quais um é o Relator, Antonio Anastasia (PSDB/MG);

- Bloco de Apoio ao Governo com representantes do PT e do PDT;

- Bloco Parlamentar Socialismo e Democracia formada pelo PSB, PPS, PCdoB e REDE;

- Bloco Parlamentar Democracia Progressista com parlamentares do PP e do PSD; 

- Bloco Moderador formada pelos partidos PTB, PR, PSC, PRB e PTC.

Publicidade

Para mais informações sobre Política, clique aqui e fique por dentro da democracia. #Dilma Rousseff #Crise-de-governo