Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram o início da madrugada desta sexta-feira (15) manter o processo de #Impeachment da presidente #Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados. A corte negou o pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) para anular o processo.

Segundo a AGU, a Comissão do Impeachment não respeitou o direito de defesa da presidente Dilma, tese que foi rejeitada durante a votação pelos ministros do STF. O relator do processo, ministro Edson Fachin, iniciou a votação a favor da manutenção do impeachment, seguido pelos ministros Gilmar Mendes, Teori Zavascki, Luiz Fux, Carmen Lúcia, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso. A decisão removeu o último obstáculo que restava para que o processo de impeachment prossiga na Câmara dos Deputados neste domingo (17). 

Se aprovado na Câmara, o processo segue para o Senado.

Publicidade
Publicidade

Aprovado também por lá, a presidente Dilma pode perder o poder durante 180 dias e o vice, Michel Temer ,assumirá a posição temporariamente até que o Senado julgue a anulação ou manutenção da decisão dos deputados. Para ser aprovado na Câmara são necessários no mínimo doi terço dos votos a favor do impeachment. Já no Senado é necessário apenas maioria absoluta de votos dos senadores, ou seja, 41 dos 81 votos disponíveis para a presidente ser afastada temporariamente.

Diante das várias manobras para tentar barrar a votação do impeachment, o governo vem perdendo força e muitos políticos da base aliada tem debandado com a esperança de estabelecer novas alianças com um possível governo do PMDB liderado pelo vice-presidente Michel Temer.

O impeachment da presidente Dilma poderá causar vários protestos por parte dos apoiadores do governo, e até mesmo conflitos entre os brasileiros pró e contra impeachment. A expectativa é de que a presidente seja realmente afastada e retirada do poder, uma vez que tanto na Câmara dos Deputados quanto no Senado a maioria dos parlamentares são a favor do impeachment .O mercado financeiro tem reagido bem à possibilidade da saída de Dilma Rousseff e espera-se que com a entrada de um novo governo a economia volte a crescer, gerando empregos e deixando para trás a crise que tomou conta do país.

Publicidade

#Crise no Brasil