O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficou indignado com a atitude do deputado Tiririca, que votou a favor do #Impeachment de Dilma Rousseff no último domingo (17), principalmente pelo fato deles terem conversado momentos antes da votação. "Como ele faz isso? Ele ia votar com a gente.", reclamou o petista inconformado ao ver Tiririca sendo aclamado após optar pela saída da presidente da república.

O voto de Tiririca vinha sendo muito esperado não só pelos colegas, mas por toda imprensa, já que ele foi um dos deputados que não quis de forma alguma revelar com antecedência qual seria sua posição. No domingo, ele foi rápido nas palavras: "Senhor presidente, pelo meu país, meu voto é sim!", afirmou o deputado e humorista que logo em seguida foi abraçado pelos demais deputados que também estavam ali votando pelo "sim".

Publicidade
Publicidade

Tiririca já está a quase seis anos como deputado e esta foi a primeira vez que ele usou o microfone do plenário da Câmara dos Deputados. Lula que acompanhava tudo do Palácio da Alvorada ficou decepcionado e contou à Dilma que chegou a conversar com Tiririca antes da votação em um quarto de hotel na cidade de Brasília e ficou tudo acertado dele votar com o PT.

Assessores de Dilma Rousseff fizeram uma espécie de "mapa dos traidores" onde estava não só o nome de Tiririca, mas também de outros deputados que deram a entender que votariam contra o impeachment e acabaram se influenciando pelos deputados a favor do processo e também pela pressão que vinha das ruas.

#Lula se encontrou também com o deputado Paulo Maluf, o qual tentou convencer de votar a favor de Dilma e mais uma vez fracassou porque o voto dele também foi pelo "sim".

Publicidade

E foram muitos os "nãos" que o ex-presidente ouviu na tentativa de reverter a possibilidade do impeachment da presidente. Cabisbaixo, Lula ficou realmente decepcionado com alguns votos vindos de deputados que ele considerava aliado.

Uma outra grande decepção para Lula e o governo de Dilma foi em relação ao deputado Adail Carneiro que chegou a ser exonerado do cargo de assessor especial do governador do estado do Ceará só para votar contra o impeachment, mas na hora ele optou pelo "sim". #Crise-de-governo