#Michel Temer, vice-presidente da república, gravou um discurso com duração de 15 minutos já se pronunciando como se o impeachment tivesse sido aprovado pela Câmara e enviou a gravação para os parlamentares do PMDB. Como a votação tem previsão de ser realizada só no próximo domingo, o clima ficou tenso em Brasília.

O áudio traz o peemedebista ensaiando o que seria o seu primeiro pronunciamento ao país, dizendo que "agora", a Câmara dos Deputados já definiu através da votação que está autorizado a instauração do processo do impeachment de Dilma Rousseff.

"Eu quero neste momento me dirigir ao povo brasileiro", começa Michel Temer já na posição desejada de presidente do Brasil, afirmando que muitos que estão aflitos o procuraram para que ele pronunciasse algumas palavras, o que ele faz com modéstia, de acordo com o que está no áudio vazado.

Publicidade
Publicidade

A assessoria do vice não teve como negar a veracidade da gravação e informou apenas que foi um "acidente" o envio de tal áudio aos peemedebistas e que este seria um exercício comum feito por Temer utilizando seu celular e que não deveria ter parado na bancada.

Na gravação o vice-presidente reconhece que ainda há um longo caminho pela frente, afirmando que o processo de #Impeachment ainda passa pelo Senado, mas demonstrou confiança nos "senhores senadores".

A comissão formada na Câmara dos Deputados está avaliando nesta segunda-feira (11) a possibilidade de se instalar o processo de impeachment contra a presidente do Brasil, #Dilma Rousseff e espera-se que ainda hoje seja votado o parecer de Jovair Arantes, relator da comissão que é a favor da retirada da petista do cargo.

José Eduardo Cardozo, que está fazendo a defesa de Dilma, está confiante que ela será absolvida.

Publicidade

Horas antes, Jovair Arantes garantiu que não há mais clima para que a presidente continue dirigindo os rumos do país, pois este é um governo "autoritário, arrogante e falido".

De acordo com o Placar do Impeachment os votos a favor ainda não são maioria e se fosse hoje, o processo contra Dilma não seria instalado.