A Câmara dos Deputados iniciou nesta sexta-feira (15) a sessão de análise do processo de #Impeachment aberto contra a presidente #Dilma Rousseff. O relatório apresentado por Jovair Arantes será apreciado nos próximos dias e votado no domingo. 

De acordo com o ritual estabelecido, para que o relatório seja aprovado e encaminhado ao Senado Federal, são necessários 342 votos a favor. Se o número não for atingido, o impeachment será arquivado. 

Como parte do roteiro, o jurista Miguel Reale subiu à tribuna para falar sobre as acusações que pesam sobre Dilma no âmbito das chamadas "pedaladas fiscais". Na sequência, o advogado geral da união, José Eduardo Cardozo, saiu em defesa da presidente, e também discursou para os deputados. 

Ainda nesta sexta-feira, os líderes dos principais partidos apresentarão suas ideias ao microfone e, ao longo de todo o sábado, será a vez de ouvir os mais de 120 parlamentares que se inscreveram para discursar.

Publicidade
Publicidade

A votação que definirá o futuro do processo de impeachment terá início no domingo, a partir das 14h. 

Opinião dividida

Com a crise política, a economia brasileira vive um momento de incerteza. Empresários brasileiros e estrangeiros estão cautelosos e esperam uma mudança de cenário para voltar a investir no país.

Entidades representativas das indústrias e dos trabalhadores se dividiram em grupos pró e contra o impeachment. 

No próximo domingo, são esperadas milhares de pessoas em frente ao Congresso, na capital federal, em protestos distintos, lado a lado, separados apenas por uma divisória providenciada pela polícia local. 

Comércio fechado

A Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce) fez uma sugestão aos centros comerciais espalhados pelo país para que fechem as portas no próximo domingo como forma de possibilitar aos lojistas que acompanhem a votação na Câmara. 

Há por parte da associação uma preocupação com o aumento no desemprego e o alto número de processos de recuperação judicial abertos por comerciantes. 

Consultados, os centros comerciais de importantes cidades da Grande São Paulo não se posicionaram oficialmente a respeito da declaração da Abrasce até o momento da publicação deste artigo.

Publicidade

#Crise-de-governo