A Globo sempre teve um posicionamento claro sobre o processo de #Impeachment da presidente #Dilma Rousseff, mas neste domingo ela surpreendeu a todos os telespectadores no país. Em atitude inédita ela deixou funcionários da casa falar sobre o pedido de impeachment favorecendo a permanência da presidente Dilma Rousseff.

Rede Globo abre espaço para Zé de Abreu falar 

O ator Zé de Abreu esteve no programa do Domingão do Faustão e deixou claro porque ele não aceita o processo de impeachment. O ator chamou Eduardo Cunha de ladrão e disse que o presidente da Câmara dos Deputados federais sofreu pedido de 130 anos de prisão pelos crimes cometidos.

Publicidade
Publicidade

Em um vídeo compartilhado pela página da União Nacional dos Estudantes (UNE), o ator finaliza com a seguinte frase no vídeo: "Como é que ele pode ser juiz da Dilma?"

Zé de Abreu também falou da corrupção e de como o governo do PT legitimou os órgãos para que as ações que decorreram na prisão de diversos corruptos fossem realizadas. "Pela primeira vez ela é combatida verdadeiramente. Pela primeira vez você vê os maiores empreiteiros na cadeia," comenta o ator.

Fantástico também exibiu matérias pró-Dilma na Rede Globo

Outras duas reportagens fugiram do editorial comum da rede Globo durante o Fantástico. De forma inédita, a TV falou sobre o caso da deputada Rachel Muniz (PSD) que votou sim pelo impeachment e elogiou seu marido, que acabou preso no outro dia pela Polícia Federal.

Além dessa reportagem, o Fantástico também apresentou uma matéria falando de Jair Bolsonaro, que também votou sim pelo impeachment de Dilma Rousseff, e fez saudações ao Coronel Brilhante Ustra, torturador da ditadura militar.

Publicidade

A resposta da Globo vem depois da mídia ser duramente criticada, não só pela sociedade brasileira, mas por agora também, a imprensa internacional. A jogada estratégica da emissora neste domingo, foi uma forma de retratar a imagem da emissora que anda desgastada desde a ditadura militar, com o apoio servil da Globo que alavancou o período da ditadura por longos vinte e um anos. #Manifestação