Uma das testemunhas que depôs ao Ministério Público do Estado de São Paulo na investigação que apura se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é proprietário do apartamento 164-A no Guarujá, José Afonso Pinheiro, foi demitido nessa quinta-feira (07), segundo informação da promotoria de São Paulo.

O zelador está indignado com a demissão e afirmou que nunca deu motivos para isso. Segundo José Afonso, a engenharia da OAS disse que ele tinha falado demais em seu depoimento à Justiça, e o próprio síndico que era encarregado do zelador afirmou que ele falou demais.

“O pessoal deixa esfriar um pouquinho e depois acaba sobrando para a gente que é menos favorecido”, afirmou o zelador para a reportagem do jornal Estadão.

Publicidade
Publicidade

Promotor que cuida da investigação afirmou que há fortes indícios de represálias com a demissão do zelador

O promotor responsável em comandar as investigações, Cássio Conserino, afirmou que existem fortes motivos para que a demissão de José Afonso tenha a ver com seu depoimento, que ele próprio classificou como “absolutamente esclarecedor”.

As declarações do zelador foram feitas no dia 23 de outubro de 2015. Além do promotor Cássio Conserino estavam presentes Fernando Henrique Araújo e José Carlos Blat.

No depoimento, o zelador afirmou que chegou até a conversar com a esposa de #Lula, Marisa Letícia, que o indagou sobre o salão de festas, sobre a piscina e áreas de lazer do edifício. O zelador também alegou que Lula e seus familiares sempre chegavam ao edifício com um Passat preto/prata e outro carro prata e sempre acompanhados com um corpo de seguranças, três ou quatro.

Publicidade

Também declarou que ouvia reclamações de moradores quando a família de Lula chegava e se acomodava no triplex, pois os seguranças do casal prendiam o elevador e não deixavam outros moradores acessarem.

“O funcionário Igor da OAS me disse para eu ficar quieto e dizer que o apartamento era da OAS”, segundo o zelador esse pedido foi feito logo após o carnaval de 2015.

Ele também não soube afirmar se o apartamento estava à venda, pois nunca avistou nenhum corretor de imóveis acompanhado de interessados para comprar o apartamento.

A OAS não se manifestou sobre a demissão do zelador. #Lava Jato #Corrupção