Julio Cesar Martins Casarin, advogado, ficou indignado com a decisão do presidente do Senado, Renan Calheiros, em manter todas as "regalias" para a presidente afastada Dilma Rousseff. O advogado ingressou com ação popular na Justiça Federal de São Paulo, com uma espécie de liminar, pedindo a anulação do ato administrativo de Renan Calheiros em favor de #Dilma Rousseff. O presidente do Senado proporcionou a Dilma: uso de jatos da FAB, helicópteros, direitos ao uso do Palácio da Alvorada e a integralidade dos vencimentos. A presidente petista vai ficar afastada por 180 dias por acusação de crimes de responsabilidade e, nesse tempo, será julgada.

Publicidade
Publicidade

Julio Casarin entrou com essa ação contra Dilma e Renan ao saber que a presidente afastada continuará utilizando jatos da Força Aérea Brasileira com todo o apoio e decisão do presidente do Senado, Renan Calheiros. O advogado não concorda que Dilma receba a remuneração integral e pede que a Justiça cancele todas essas "regalias". Quando ocorreu o #Impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello, ele ficou proibido de usar qualquer imóvel pertencente à União, muito menos jatinhos ou outros transportes. De acordo com o advogado, as mesmas condições atribuídas a Collor devem ser repetidas com Dilma. Segundo Julio Casarin, é inaceitável a presidente viajar pelo Brasil, divulgar mensagens de "golpe" utilizando recursos públicos, isso inclusive atrapalha a gestão do presidente interino, Michel Temer, comenta o advogado, pois o presidente em exercício é o favorecido para utilizar todos esses recursos e não uma presidente que foi afastada.

Publicidade

Ilegal

O advogado Casarin afirmou que a decisão do presidente do senado Renan Calheiros é ilegal, imoral e antijurídica. Dilma merece, claro, um pouco de segurança e conforto, mas dentro dos parâmetros legais e não como está sendo feito atualmente. Para terminar, o advogado ressaltou que a Lei é bem clara: o presidente afastado poderá ter um mínimo de segurança e transportes terrestres a sua disposição, porém, deve-se respeitar a não utilização de transportes aéreos e nem de imóveis da União, além da redução pela metade do seu salário. #Governo