Após o presidente em exercício #Michel Temer se reunir ontem com a equipe econômica em São Paulo, o Ministro do planejamento anunciou que as medidas fiscais que serão realizadas pelo governo, relativa ao equilíbrio das contas,  serão ditas na terça-feira (24) e não mais na segunda como havia sido dito. Participaram da reunião com Temer o Ministro Romero Jucá (Planejamento), Moreira Franco (secretário-executivo de parcerias) e o Ministro da Fazenda Henrique Meirelles.

O Ministro do Planejamento relatou que o anúncio das medidas foi adiado para que o tema possa ser discutido no Congresso, completou dizendo que não está incluso no novo pacote, reforma da Previdência nem aumento da carga tributária.

Publicidade
Publicidade

No fim da tarde do sábado esteve no escritório de Michel Temer em São Paulo, o presidente do banco Bradesco Luiz Carlos Trabuco. A assessoria de Temer negou que ele participaria da reunião. Carlos Trabuco teria tido uma conversa com Temer por cerca de 20 minutos após o fim da reunião.

Romero Jucá afirmou que as medidas econômicas devem ser realizadas com velocidade, de acordo com o Ministro, o PIB deve cair e o desemprego se encontra em avanço. Indagado sobre a visita do presidente do banco Bradesco, Jucá disse que o presidente em exercício tem como prioridade ouvir vozes da sociedade, como do setor empresarial e financeiro, com o objetivo de discutir pontos de vista e sugestões que acrescentem ao desenvolvimento do Brasil.

Henrique Meirelles negou que exista possibilidade de recuo em relação a medidas de austeridades planejadas, depois da notícia de que a gestão optou por recriar o Ministério da Cultura.

Publicidade

Completou dizendo que as medidas de austeridade estão aí para permanecer, que são essenciais para o equilíbrio das contas públicas. Romero Jucá confirmou o discurso  afirmando que quanto a esse tema não haverá recuo.

O presidente interino irá esclarecer através de entrevista no Palácio do Planalto, como tentará diminuir o desvio de 170,5 bilhões das contas públicas, divulgado na semana passada. A equipe de Dilma Rousseff havia feito uma prévia de 96,7 bilhões. #Impeachment #Crise-de-governo