O deputado do PSC, André Moura, se anunciou líder do governo da Câmara hoje, dia 18 de maio. Sendo ele integrante da chamada "tropa de choque" do então afastado presidente #Eduardo Cunha, o político já é alvo de muita polêmica.

Antes mesmo de fazer o anúncio oficial, o parlamentar sergipano já se apresentava como líder do governo de Temer durante a reunião entre os partidários, que ocorreu com Waldir Maranhão, até então, presidente interino da Câmara.  Segundo o deputado, ele teria aceitado o convite de Michel Temer em uma reunião realizada na terça (17) na parte da noite.

Moura contou com o apoio de 13 líderes de partidos como o PSDB, PP, PR e o PMDB.

Publicidade
Publicidade

Agora o líder terá funções importantes como ser o porta-voz do Executivo na Câmara e negociar aprovações de matérias indicadas por partidos que sejam de interesse do governo.

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (18), Moura anunciou:

"Tivemos uma reunião ontem com o presidente (em exercício) Michel Temer e aceitamos o convite para assumir a importante missão de liderar o governo aqui na Câmara".

Para pressionar Temer, os 13 líderes dos partidos apresentaram o argumento que só eles já representavam o voto de 280 deputados, ou seja, já chega a maioria dos parlamentares do governo.  O fato ocorreu também na terça (17) no Palácio do Planalto com a presença do interino presidente da República Michel Temer e do ministro da Secretaria do Governo, Geddel Vieira Lima.

Sem dúvidas a nomeação de Moura indica que mesmo afastado pelo STF, Cunha ainda influenciará fortemente o Legislativo durante o governo atual.

Publicidade

 Além disso, André Moura é um dos grandes articuladores que tentam barrar todo o processo de quebra de decoro parlamentar do presidente então afastado.

Apesar de todas as evidências que Moura seja um forte aliado de Cunha, o político negou que haverá esse tipo de influência em sua gestão como líder e atribuiu a sua indicação ao grande apoio que obteve dos partidos.

“O fato de eu ter sido incisivo, duro, é a prova maior de que não tenho nada a temer. A maneira como eu me comportei na CPI já fala por si só”, disse André Moura em relação a operação Lava Jato, onde negou qualquer envolvimento. #Corrupção #Dentro da política