O ex-ministro da Justiça e ex-advogado geral da União - dois cargos exercidos durante os governos Dilma -, José Eduardo Cardozo tratou de negar veementemente as alegações feitas por Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, à Folha. O peemedebista garantiu que Dilma o havia proposto ajuda através de "cinco ministros do Supremo Tribunal Federal".

"Bom, o #Eduardo Cunha é aquele mesmo que disse que não tinha contas no exterior e depois todos viram que ele de fato tinha? Ele está faltando com a verdade com uma habilidade incrível", rebateu Cardozo.

Fiel à Dilma, José Eduardo Cardozo a defendeu de forma exaustiva durante todo o processo de impeachment da Câmara dos Deputados e depois no Senado Federal.

Publicidade
Publicidade

No entanto, o impedimento avançou perante às duas Casas e afastou Dilma por 180 dias. No momento, quem tem exercido a presidência é Michel Temer, antigo vice-presidente.

Ainda de acordo com Cardozo, todos os encontros de #Dilma Rousseff com Eduardo Cunha, na condição de presidente da Câmara, foram para tratar de temas com relevância legislativa, sobre pautas se eram possíveis de serem aprovadas ou não. Cunha diz que a tal proposta de ajuda de Dilma foi feita em um encontro no dia 1° de setembro do ano passado.