Nas comemorações de seu próprio aniversário, no último sábado, dia 30, o ex-governador e ex-ministro Cid Gomes aproveitou a ocasião para atacar algumas autoridades do #Governo e do poder judiciário federal sobre o fato de seu nome estar envolvido nas investigações sobre o recebimento de propina da construtora Odebrecht. Discursando, de modo improvisado, para um grupo de populares, em sua terra natal, Sobral, o político, copiando o tom agressivo de seu irmão Ciro, desafiou os envolvidos na investigação, às custas de xingamentos e palavrões, a provarem seu envolvimento em esquemas de recebimento de ilícitos.

Bastante alterado em virtude de publicações que, segundo o mesmo, são pagas por seus adversários políticos, e que procuram envolver seu nome em esquemas de #Corrupção, Cid Gomes desafiou a todos os responsáveis pelas investigações: STF, Procuradoria Geral da República (PGR) e Justiça Federal a provarem o seu envolvimento em qualquer um dos crimes em que o mesmo está sendo investigado.

Publicidade
Publicidade

O ex-governador se dirigiu a cada uma destas instituições, nas pessoas de seus representantes.

" Por ter a minha consciência tranquila (...) Sou capaz de falar mal do ministro Teori. Eu digo: O senhor é corno se eu tiver nesta operação." Mais adiante, o ex-ministro reiterou as suas declarações: " Veja bem, eu tenho tanta segurança de que não estou nisto que se estiver, o ministro Teori é corno, (...), o Janot é ladrão e o Moro é um picareta", disse referindo-se, respectivamente, ao Procurador Geral da República e ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pela operação #Lava Jato

Na mesma ocasião, o ex-governador fez questão de frisar a sua conduta sempre reta e sem nunca ter se envolvido em qualquer esquema ilegal que o fizesse a fazer fortuna.

Cid Gomes, após ser procurado pelo jornal Folha de São Paulo, afirmou que não estava arrependido pelas suas declarações e que não ofendeu a nenhuma autoridade.

Publicidade

O seu objetivo seria responder a um certo repórter que havia incluído o seu nome na lista dos suspeitos de receber propina e que ele seria um dos próximos a ser investigado.

Cid afirmou que, diante das supostas acusações, ele só poderia contar com a própria honra e a sua palavra como instrumentos de sua defesa.

O suposto envolvimento de Cid Gomes com recebimento de propina

O nome do ex-ministro de Dilma foi citado na vigésima terceira fase da operação Lava Jato. Alguns documentos apreendidos pela Polícia Federal mostraram um suposto recebimento de propinas no valor de R$ 200 mil reais da empreiteira Odebrecht.  O montante, segundo Cid, teria sido repassado em 2010 quando, na ocasião, ele era candidato ao governo do estado do Ceará pelo PSB. O valor, na época, teria sido informado às autoridades eleitorais, dentro das normas que regem o processo eleitoral.