Nesta sexta-feira (6), a comissão que analisa o #Impeachment de Dilma, no senado, aprovou o parecer do relator Antonio Anastasia (PSDB-MG), com quinze votos favoráveis e cinco votos contrários.

O senador Raimundo Lira (PMDB-PB), que preside a comissão, não votou, pois não houve empate e o peemedebista só vota no caso de empate.

A decisão será lida no plenário e publicada no Diário Oficial do senado. É provável que a votação deva acontecer quarta-feira (11).

Caso a maioria dos senadores decida pela aceitabilidade do impedimento, Dilma é afastada por 180 dias para preparar sua defesa e Temer assume como presidente interino.

Publicidade
Publicidade

Em cerimônia no Palácio do governo, nesta sexta-feira (6), Dilma voltou a atacar Temer e Cunha, para defender seu mandato e acusar os peemedebistas.

A petista reagiu dizendo que não vai renunciar e que irá lutar com rigor até o fim.

Como fica Michel Temer sendo acusado de ficha suja?

O atual Vice-Presidente da República que poderá assumir o cargo de Presidente da República foi condenado, na última terça-feira (3), pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TER-SP), por ter feito doação a mais do que podia na campanha eleitoral de 2014.

A promotora da Justiça Eleitoral, Claudia Ferreira Mac Dowwell, relatou que Temer não poderá se candidatar a cargos públicos, por, pelo menos, oito anos, pois se tornou “ficha suja”.

Temer foi condenado a pagar uma multa de R$ 80 mil, por doação ilegal, como pessoa física, nas eleições para outro candidato e condenado pela Lei da Inelegibilidade, que foi assinada por Fernando Collor, em 1990, quando ainda era Presidente da República.

Publicidade

Segundo a lei, o político que fizer doações como pessoa física, em campanhas eleitorais estará em desacordo com a lei e se torna inelegível por oito anos.

A promotora que condenou Michel Temer à Inelegibilidade, explicou que a lei não impede o peemedebista de assumir o cargo de Presidente da República, caso #Dilma Rousseff venha a sofrer o impeachment, pois o mandato foi conquistado por ele legitimamente. #Corrupção