Marcela Temer, supostamente futura primeira-dama do País, teve o seu computador pessoal invadido por bandidos virtuais. Fotos, mensagens, todo o conteúdo foi roubado. Os investigadores já suspeitam da origem dos bandidos e acreditam que pode ser um #Crime político.Os invasores começaram a chantagear Marcela Temer, dizendo que irão divulgar as suas senhas, mensagens familiares e fotos. A Polícia Civil de São Paulo acredita que essas chantagens têm a finalidade apenas de despistar os trabalhos para que as pessoas não pensem que seja crime político.

As invasões vieram de computadores da cidade de São Bernardo do Campo e Santo André, em São Paulo.

Publicidade
Publicidade

Fontes próximas a Temer disseram que não havia nada de mais no computador, mas o crime é considerado um verdadeiro escândalo de espionagem. Alexandre de Moraes, secretário de Segurança paulista, tem repassado para #Michel Temer todos os detalhes da investigação em curso. A presença de Moraes juntamente com Temer causou especulações de que Temer estaria convidando o secretário para assumir a AGU, no entanto, o caso era apenas policial.

Destaque

Marcela Temer foi destaque em uma entrevista da revista Veja. Esposa do vice-presidente Michel Temer, Marcela é considerada uma "mulher de sorte". Ela se casou com Temer aos 20 anos de idade, enquanto ele tinha 62. Temer era deputado federal e foi o primeiro namorado de Marcela. Muitos internautas ironizaram os atributos que a matéria deu em relação a Marcela, inclusive várias mulheres postaram fotos ironizando a situação.

Publicidade

Elogios

Michel Temer revelou vários elogios à sua esposa: "discreta", "inteligente" e "companheira", disse o vice-presidente. A vice-primeira dama quase não sai de casa desde que a crise política tomou conta do País. Até mesmo quando Temer recebe visitas, Marcela fica apenas um momento, toma um café e já se retira, comentou um assessor parlamentar. Ela tem ajuda de uma babá, uma cozinheira e duas ajudantes para tomar conta do seu filho. A sua prioridade era fazer a prova da OAB, mas com a maternidade as coisas mudaram um pouco de rumo. #Casos de polícia