Com a iminência de Michel Temer assumir a Presidência da República nos próximos dias, a sua linha sucessória é formada por dois políticos que somam 18 pedidos de investigação no Supremo Tribunal Federal.

#Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro e presidente da Câmara, é réu em ação penal no STF. Ele também responde a mais três inquéritos e uma denúncia na Operação Lava Jato. Ontem (02), Rodrigo Janot, procurador-geral da República, pediu que o Supremo abrisse mais uma investigação contra o presidente da Câmara, dessa vez baseada na delação do senador Delcídio Amaral, ex-petista e agora sem partido.

Já Renan Calheiros, do PMDB de Alagoas e presidente do Senado, é alvo de doze inquéritos no STF.

Publicidade
Publicidade

Destes, nove são sobre investigações do esquema de #Corrupção na Petrobras, outros dois sobre possível irregularidade no pagamento da pensão de sua filha de relacionamento extraconjugal e mais um da Operação Zelotes.

Se o Senado votar a favor do #Impeachment, a presidente Dilma será afastada por pelo menos 180 dias do cargo. Nesse caso, Michel Temer se torna presidente em exercício. Cunha, o próximo da linha sucessória, não se torna o vice-presidente, mas assume o cargo no caso de Michel Temer viajar para fora do Brasil. 

O fato de Cunha, que já responde a uma ação penal, ter a possibilidade de assumir a Presidência tem causado polêmica. Teori Zavascki, ministro do Supremo Tribunal Federal, afirmou semana passada que irá levar o debate para o plenário da Corte. Lá, eles devem discutir sobre a possibilidade de afastar Eduardo Cunha do comando da Câmara.

Publicidade

Rodrigo Janot já pediu o afastamento de Cunha em dezembro de 2015. O processo, no entanto, segue parado no Supremo desde então. A informação de que o caso pode voltar a andar começou a circular recentemente no tribunal. Já Renan Calheiros responde a mais inquéritos que Eduardo Cunha, mas o debate não o atinge. Ele é o terceiro na linha sucessória, mas ainda não se tornou réu em nenhuma das doze ações em tramitação no STF, enquanto Cunha é o primeiro réu parlamentar em ação na Operação Lava Jato.

Saiba mais

Dilma Rousseff prepara renúncia e deve pedir novas eleições, diz jornal