O ex-senador e ex-líder do goveno no Senado, Delcídio do Amaral, polemizou e fez uma afirmação que pode comprometer governos anteriores ao governo #Lula. Delcídio afirmou que a #Corrupção na Petrobras sempre existiu, desde os governos de Itamar, Fernando Henrique Cardoso e anteriores. Segundo ele, a corrupção na maior estatal do Brasil sempre existiu, mas nunca foi sistematizada.

“Esse processo de corrupção sempre existiu e foi crescendo. A diferença do governo do PT é que houve uma sistematização entre as diretorias e as ações partidárias, que foi muito mais ampla e concatenada nas bases do governo Lula e no governo Dilma.

Publicidade
Publicidade

E agora, deu no que deu.”

Governos anteriores não chegavam aos detalhes de indicação de gerentes e chefes

Delcídio do Amaral quis explicar a diferença da corrupção que existia antes de Lula e a que existiu após Lula assumir o poder em 2002. Para Delcídio, os governos anteriores não entravam em detalhes e pormenores dos gerentes e chefes que comandariam a maior estatal do país.

Após 2002, esse cenário mudou e os cargos de gerência e chefia passaram a ser escolhidos diretamente pelo presidente da República.

“Antigamente os diretores ajustavam suas equipes e não tinha essa de colocar em todos os cargos pessoas ligados ao partido”.

Lula e Dilma sabiam de tudo

Perguntado se o ex-presidente Lula e a presidente afastada #Dilma Rousseff sabiam do esquema de corrupção na Petrobras, Delcídio disse que sim.

Publicidade

Para o ex-senador, a argumentação de que Lula não sabia de nada o que acontecia e que Dilma recebeu um parecer falho sobre a refinaria de Pasadena é uma grande idiotice.

“Tenha paciência, achar que os dois não sabiam é achar que todo mundo é idiota e ignorante. A Petrobras sempre foi do presidente”.

Segundo depoimento de Dilma, (que na época da aquisição da usina de Pasadena comandava o conselho da Petrobras) houve uma falha na diretoria internacional no momento de chancelar o negócio.  A aquisição de Pasadena gerou um prejuízo de R$ 800 milhões a Petrobras, segundo dados do Tribunal de Contas da União.

“Em grandes estatais não existe a possibilidade de apresentar um parecer incompleto para a diretoria ou para o conselho de administração”.

Perguntado se Dilma mentiu sobre a usina de Pasadena, Delcídio afirmou categoricamente:

“Absolutamente, em nenhum momento Dilma assumiu a responsabilidade pelos negócios que cabiam a ela”.

Delcídio do Amaral fez acordo de delação premiada e está colaborando com as investigações da Operação Lava Jato.