A Federação Nacional dos Policiais Federais (FENAPEF) disse, em uma nota oficial, que, se o #Governo não atender a entidade, vai ocorrer uma série de impactos nas investigações de corrupção ligadas à liderança do Partido dos Trabalhadores. Analistas da #Polícia Federal admitem que, se o Executivo Federal mostrar descaso em relação à categoria, pode haver uma revolta dos policiais, o que repercutirá nas investigações contra o #PT. O texto não cita quem são os especialistas responsáveis pela matéria. Outro detalhe importante que a Federação comenta, é a falta de comprometimento do governo diante das reivindicações com as Olimpíadas, que serão realizadas em agosto, no estado do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

Qualquer manifestação contrária ao que a FENAPEF exigir, favorecerá um ambiente de descontentamento enorme, dificultando a segurança nos jogos das Olimpíadas. Os policiais ainda pedirão o apoio da população contra o governo. O presidente da entidade, Luís Antônio Boudens, convocou 27 sindicatos filiados, para uma reunião com o ministro da Justiça, Eugênio Aragão, a fim de pressionar o ministro na fase final de negociações. A entidade pretende impor ao Executivo benefícios para todas as classes policiais e não apenas uma parte. Uma minoria de delegados está disposta a atacar o governo através de intimidações decorrentes da Operação Lava Jato e da opinião pública. O comunicado diz que privilegiar delegados demonstra que o governo sofre da Síndrome de Estocolmo, no caso, uma simpatia por quem possibilita situações de vexame.

Publicidade

Pleitos da entidade

Os policiais federais pleiteiam do governo várias medidas, tais como: correção salarial, mais autonomia e um único concurso público para ingressar na corporação. O presidente da entidade também levará, até o ministro da Justiça, pedidos de alteração no regimento da Polícia Federal. Luís Antônio se informará a respeito do conteúdo dos responsáveis pelo texto que diz que o sucesso das manifestações policiais estão ligadas com a atuação da Polícia Federal na segurança dos Jogos Olímpicos e nas investigações.