Mais um fato para esquentar ainda mais o cenário político no Brasil, a notícia de que a ABIN chegou a grampear o atual presidente #Michel Temer e também o juiz Sérgio Moro, além de Luís Roberto Barroso. Uma empresa internacional especializada em fazer varreduras contra este tipo de serviço descobriu que os grampos foram implantados por agentes da ABIN que estariam trabalhando sob as ordens de Ricardo Berzoini, a pedido da presidente afastada #Dilma Rousseff.

O caso gera uma polêmica enorme, pois a petista e o Partido dos Trabalhadores protestaram quando o juiz, com autorização da Justiça, colocou escutas no telefone de Lula e chegou a divulgar uma conversa do ex-presidente com sua "companheira".

Publicidade
Publicidade

Mas agora as provas mostram que Dilma Rousseff teria agido de forma bem parecida, só que sem ter nenhuma suspeita contra o juiz, enquanto que no caso de Luis Inácio Lula da Silva, ele vem sendo investigado há mais tempo.

Agora, o Palácio do Planalto e também os ministros do Supremo Tribunal Federal já têm provas de que pelo menos nestes últimos 6 meses, a ABIN - Agência Brasileira de Inteligência - ficou espionando Michel Temer, além de líderes do PMDB, o juiz Sérgio Moro e também alguns dos ministros do Supremo Tribunal Federal.

A descoberta foi feita há pelo menos duas semanas e só agora está sendo divulgada. Havia um "grampo ambiental" na mesa do gabinete de Luís Roberto Barroso e com isto, a suspeita de que tanto a equipe de Michel Temer como também os membros que atuam na operação Lava Jato estavam sendo monitorados desde o fim do ano passado.

Publicidade

O tenente coronel André Soares revelou a alguns senadores que: "Foi a Abin que grampeou o gabinete do ministro. Foi preciso contratar uma empresa que atua nesta área há mais de uma década para fazer uma varredura geral e descobrir tudo, pois a espionagem era feita com tecnologia de ponta para não deixar nenhum vestígio".

Antes mesmo do Natal de 2015, a equipe de segurança de Michel Temer achou estranho alguns "fotógrafos" bem próximos ao Palácio do Jaburu, assim como desconfiaram de algumas interferências nas ligações telefônicas.

Dilma Rousseff ainda não se manifestou a respeito e não se sabe até o momento o que a Justiça fará a respeito dessa descoberta. #Crime