Dia 9 de maio, segunda-feira, foi um dia agitado em Brasília, tanto no Congresso Nacional, onde as duas casas legislativas dão novo rumo ao enredo do processo de impeachment, quanto no Poder Executivo, onde a presidente #Dilma Rousseff assinou um projeto de lei que anuncia a expansão no ensino superior brasileiro.

Em discurso que marcou a ampliação do sistema de #Educação superior, Dilma Roussef defende os esforços para que o ensino superior chegue aos interiores do país, apontando a importância para o desenvolvimento das regiões onde elas serão implantadas. As novas universidades são em Goiás, Piauí, Tocantins e no Mato Grosso.

Publicidade
Publicidade

Somado à expansão, o mesmo projeto anuncia a criação de 41 novos campis de Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF’s) e a convocação da terceira Conferência Nacional de Educação (CONAE) prevista para o ano de 2018.

Novas universidades

As cinco novas universidades são:

Em Goiás, é previsto a criação da Universidade de Catalão e da Universidade de Jataí

No Piauí, será criada a Universidade do Delta do Parnaíba, cumprindo a promessa feita por Dilma Roussef ao deputado José Francisco Paes Landim (PTB-PI) na altura da votação do processo de impeachment na Câmara dos Deputados.

Outro novo centro do saber é a Universidade do Norte do Tocantins e a Universidade de Rondonópolis (Mato Grosso) que se somam às outras 63 universidades federais no Brasil.

Caminho Legislativo

Inicialmente, o projeto de lei vai para análise e votação na Câmara dos Deputados, onde será analisado nas comissões e votado.

Publicidade

Caso seja aprovado, o projeto segue para o mesmo processo analítico no Senado Federal. Após todos os trâmites no processo legislativo, o projeto retorna para a sanção da Presidência da República.

Quanto ao processo legislativo no Senado Federal, durante a sessão plenária da tarde do dia 9 de maio, o senador Wellington Fagundes (PR-MT) defendeu que o projeto deve entrar na ordem do dia com caráter de votação “urgente urgentíssima”, tão logo que chegue ao Senado Federal.  

Aos acadêmicos e profissionais da educação, uma dica: fiquem ligados, pois para suprir as novas demandas deverá surgir concurso público. #Governo