A presidente afastada do Brasil, #Dilma Rousseff, depara-se com mais uma polêmica, de acordo com dados conferidos em período que esteve no comando da Presidência do País. Ao ser indagada sobre prováveis encontros com o dono da maior empreiteira do Brasil, Marcelo Odebrecht, Dilma negou veementemente que tivesse alguma vez tê-lo encontrado. Todavia, os arquivos do Palácio do Planalto, de acordo com as investigações, demonstram totalmente o contrário.

Dilma buscou sempre não ser envolvida diretamente nas investigações que apontam para rombos bilionários na Petrobrás, buscando se desvencilhar de personagens envolvidos profundamente nos escândalos de corrupção que desviaram recursos dos cofres da maior estatal brasileira.

Publicidade
Publicidade

De acordo com palavras da presidente afastada, ela jamais agendou qualquer encontro com Marcelo Odebrecht: "eu nunca recebi o Marcelo no Palácio do Alvorada. No Palácio do Planalto também não me lembro", afirmou contundentemente a mandatária afastada.

Arquivo eletrônico do Planalto desmente Dilma

A negação da presidente afastada não surtiu efeito. Através de dados oferecidos pelos arquivos eletrônicos do Palácio do Planalto, verifica-se que Dilma Rousseff encontrou-se por pelo menos quatro vezes, desde que ela se tornou presidente da República, ressaltando que duas das recepções ocorreram no ano de 2014, no mesmo ano que Dilma disputou a campanha de reeleição à Presidência do País.

Um fato inusitado é que, em uma das recepções ao empresário, que a presidente afastada nega peremptoriamente, Marcelo Odebrecht chegou ao palácio presidencial, aproximadamente às 11:30 de 26 de março de 2014, podendo inclusive, servir-se do almoço oferecido a convidados.

Publicidade

Embora os auxiliares de Dilma acrescentem que a presidente afastada possui uma boa memória, ela buscou demonstrar esquecimento quanto às recepções ao empresário Odebrecht, principalmente em um momento crítico de sua trajetória política, devido às relações de ambos estarem num patamar crivado de suspeitas. O empresário baiano encontra-se preso nas dependências da Polícia Federal, em Curitiba, sob investigação da Operação Lava-Jato, comandada pelo juiz Sérgio Moro.

Já a presidente afastada, aguarda o julgamento do mérito em plenário do Senado Federal, quanto à decisão sobre seu pedido de #Impeachment, até que se decida ou não pelo afastamento definitivo do cargo de presidente da República. #Crise no Brasil