Renan Calheiros, presidente do Congresso Nacional, agendou uma visita para a noite desta quinta-feira (19) à presidente afastada, Dilma Rousseff. Ele foi ao Palácio da Alvorada a pedido da própria presidente, que solicitou um encontro. Essa seria a primeira reunião entre eles após ela ter sido afastada do cargo de presidente da República. 

Jorge Viana, vice-presidente do Senado, acompanhou Renan Calheiros e os dois foram rumo ao destino, só que eles acabaram sendo retidos por militares já próximos ao Palácio do Jaburu, que é onde Michel Temer mora em Brasília.

A residência de Temer fica no caminho para a residência de Dilma, e os militares não deixaram Renan e Jorge Viana passarem em um primeiro momento.

Publicidade
Publicidade

Só depois que o oficial teve autorização de seu superior é que a passagem foi liberada.

O vice presidente do Senado fez uma reclamação oficial e pediu encarecidamente que as autoridades mudem este comportamento e liberem as visitas à #Dilma Rousseff. Para Viana, o fato de ter sido retido é, no mínimo, estranho, e ele afirmou que chegou até mesmo a se identificar como senador, assim como fez Renan Calheiros, mas de nada adiantou. Tiveram que ficar esperando o militar conseguir a tal autorização para que eles pudessem prosseguir até a residência de Dilma.

Viana fez questão de dizer na tribuna que foi com o presidente da casa fazer uma visita a Dilma e os dois precisaram se identificar para continuarem o caminho, mas antes tiveram que aguardar por um bom tempo até que todos os telefonemas fossem dados e as ligações feitas para ficar decidido se eles poderiam ou não visitar a petista, e concluiu: "Isso significa que a presidenta eleita está sitiada?"

O vice-presidente do Senado ainda disse que o presidente provisório tem feito de tudo, inclusive demitir tudo e todos, enquanto a presidente que veio das urnas não pode receber nem visitas.

Publicidade

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República  informou que este é um protocolo de segurança para a presidente afastada, e o que está em exercício, para garantir proteção principalmente em relação às grandes manifestações. #Impeachment #Crise-de-governo