José Mariano Beltrame, Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, declarou, recentemente, que solicitará ao governo federal um maior número de policiais trabalhando durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016. Após a exposição de estúdio asiático criticando a segurança na cidade maravilhosa, o governo federal prometeu atender às solicitações do secretário, oferecendo um maior grupo de policiais para fazer a segurança da capital carioca durante os Jogos Rio-2016.

Beltrame se reuniu, na última quinta-feira (19), ao Ministro da Defesa, Raul Jungmann, para solicitação de maior reforço policial durante os Jogos com o intuito de promover maior segurança de atletas, cidadãos e turistas.

Publicidade
Publicidade

O encontro contou também com a participação de militares, cujo número não fora divulgado. O governador do estado, Francisco Dornelles, deverá realizar o pedido formalmente ao presidente interino em exercício, Michel Temer, nos próximos dias.

Três mil oficiais do Exército de Minas Gerais e Santa Catarina já estão na capital carioca para apoio às brigadas do estado carioca em situações de emergência. Ao fim de suas declarações, o Ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que, do ponto de vista da segurança pública, os Jogos Rio-2016 estão totalmente preparados para receber o público, atletas e equipes de comissão. O ministro ainda reiterou que pretende permanecer na cidade maravilhosa após a realização dos Jogos, e encerrou convidando os demais Ministros para participarem ativamente de toda a realização das Olimpíadas e Paralimpíadas Rio-2016.

Publicidade

Robô antibombas escalado para auxílio à equipe de segurança nos Jogos Rio-2016

Utilizada pela polícia na capital do Rio de Janeiro durante a Copa do Mundo de 2014, o equipamento doado pelos Estados Unidos servirá de apoio ao policiamento carioca durante os Jogos Rio-2016. O iRobit, como é nominado, é um mecanismo de última geração que acopla articulação e funcionalidade ao longo de seu maquinário. O iRobit possui uma câmera instalada na ponta do aparelho, cujo objetivo é escanear possíveis artefatos explosivos que pudessem ameaçar o público que prestigia aos jogos. O dispositivo também conta com possibilidade de desarmar o artefato ou ainda desativá-lo através do chamado “tiro d’água”, através de um canhão que incapacitará o artefato explosivo encontrado.    #Inovação #Crise #Rio2016