Rodrigo Janot, procurador geral da República, já enviou ao Supremo Tribunal Federal um pedido de abertura de inquérito contra políticos do PMDB, que, segundo ele, são suspeitos de terem recebido propina na construção da usina de Belo Monte. Romero Jucá e Renan Calheiros, que é presidente do Senado, são os alvos do procurador, além dos senadores Jader Barbalho e Valdir Raupp, que também são do PMDB. Principalmente depois que os delatores revelaram detalhes de como as propinas eram feitas e para quem eram repassadas, estes citados precisam ser investigados urgentemente.

De acordo com Janot, estes quatro políticos devem ser tratados como investigados no inquérito conduzido pelo Supremo, que já está investigando se Edison Lobão, senador pelo PMDB, teria participação nesta propina.

Publicidade
Publicidade

Depois das delações premiadas, a investigação vem seguindo uma nova linha, principalmente, pelos depoimentos de Delcídio do Amaral e Luiz Carlos Martins. Delcídio revelou aos investigadores que vários ex-ministros tiveram participação ativa em um esquema de propina nas obras da usina de Belo Monte, no Pará, e o dinheiro desviado foi para campanhas não só do PMDB, como também do PT.

Delcídio revelou ainda que Erenice Guerra, Antônio Palocci e Silas Rondeau, do governo Lula e Dilma, chegaram a desviar mais de R$ 45 bilhões dos cofres públicos entre 2010 e 2014. Ainda de acordo com o ex-senador, esta "equipe" era formada por Renan Calheiros, Jader Barbalho, Edison Lobão, Valdir Raupp e Romero Jucá.

O ex-senador ainda contou que mais de R$ 30 milhões foram pagos como propina da Belo Monte ao PT e também ao PMDB, ficando Palocci responsável pelo pagamento ao Partido dos Trabalhadores.

Publicidade

Este dinheiro teria sido empregado então na campanha eleitoral de Dilma Rousseff. Também revelou que Rondeau ficou responsável pela propina enviada ao PMDB e o dinheiro foi passado a José Sarney, Renan Calheiros, Lobão, Jucá, Jader e Raupp.

Para Janot, não há mais dúvidas de que todas as informações passadas pelos delatores configuram crime de #Corrupção passiva e os apontados precisam ser investigados.

#Crise no Brasil #Crise-de-governo