Como sempre, a Operação Lava Jato é motivo de muita movimentação entre os envolvidos e os acusados. Um exemplo disso é a nova revelação do ex-deputado Pedro Corrêa que, conforme relatos, conseguiu surpreender a todos em seu novo depoimento. O material já foi encaminhado para o Supremo Tribunal Federal e aguarda homologação do relator da Operação, Teori Zavascki.

Tudo indica que o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva vai precisar de argumentos muito fortes para rebater as novas acusações de Pedro Corrêa. Lula, que ultimamente tem seu nome estampado nas páginas de jornais com repercussão nacional e internacional, pode se preparar para as próximas fases da Lava Jato.

Em novas declarações, Corrêa informou como era discutida a partilha de cargos no governo de Lula, além de repassar o conteúdo de conversas e acordos para os recebimentos e pagamentos de propina, realizados dentro do Palácio do Planalto.

Publicidade
Publicidade

Também, na mesma delação, Pedro contou que Lula fazia questão de gerenciar toda a tramoia da corrupção da Petrobras, desde a indicação dos diretores até a partilha dos valores desviados entre os parlamentares e seus partidos.

Ainda em depoimento, Corrêa detalha o acordo entre o ex-presidente e os caciques do Partido Progressista (PP), em decorrência de desarranjos nos contratos da Diretoria de Abastecimento da Petrobras, conduzida por Paulo Roberto Costa, o Paulinho, já condenado na #Lava Jato.

Um dos problemas mais sérios, segundo o delator, foi quando os parlamentares do PP questionaram Lula sobre a "invasão" do PMDB. Então, o ex-presidente contornou a situação alegando que eles "estavam com as burras cheias de dinheiro" completando ainda que a diretoria era "muito grande" e tinha que "atender os outros aliados, pois o orçamento era muito grande" e a diretoria era "capaz de atender todo mundo", conforme divulgação da revista Veja.

Para Pedro Corrêa tudo não passava de um episódio meramente corriqueiro, já que recebia propina desde a década de 70, ainda quando existia o Inamps, que, naquela época, era um órgão vinculado ao Ministério da Saúde.

Publicidade

Portanto, cobrar vantagens em troca de favores ou apadrinhamentos era muito natural para o ex-parlamentar.

Com seu jeito tranquilo, conseguiu de forma brincalhona ficar descontraído, até na frente do Juiz Sérgio Moro, que todos já conhecem pela sua seriedade e por não brincar em serviço. Corrêa, ao argumentar em um de seus depoimentos, afirmando ser um “especialista na arte de comprar votos”, teria arrancado gargalhadas de Moro, conforme informou a revista.

Tudo foi registrado e conferido. O ex-deputado confessou todos os crimes e relatou passo-a-passo o ocorrido, desde o seu acordo de delação, no ano passado, afinal, Corrêa é o percursor do benefício da delação premiada, portanto, não será difícil imaginar, após os poucos trechos disponibilizados, o que mais foi revelado sobre o ex-presidente Lula.

Para finalizar, a revista ainda salientou que Corrêa ainda participou de mais de vinte órgãos sob o esquema de propina, além de bancos e ministérios, dentre outros. Somando, mais de quarenta anos ininterruptos de #Corrupção fazem parte da vida do ex-deputado Pedro Corrêa.

Publicidade

A delação de Pedro Corrêa refere-se a “72 anexos..., que resultam num calhamaço de 132 páginas”, afirmou a revista.