Nesta terça-feira (10), o #Senado Federal decidiu, por 74 votos a 0, pela cassação do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS). A decisão da cassação de Delcídio interferirá, de forma direta, o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, que a partir de agora terá seu processo de tentar obstruir a justiça remetido à primeira instância em Curitiba, para as mãos do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelo comado da Operação #Lava Jato.

Lula terá que responder diretamente a Sérgio Moro devido à perda de foro privilegiado de Delcídio do Amaral com a cassação de seu mandato. Delcídio é um dos envolvidos na denúncia.

Teori Zavascki, presidente do Supremo Tribunal Federal e relator da Lava Jato no STF, terá que autorizar o redirecionamento.

Publicidade
Publicidade

Inclusive a opinião de quem levou a denúncia ao STF, Rodrigo Janot, Procurador Geral da República, deverá ser ouvida com essa mudança no trâmite do processo.

Moro deverá analisar a denúncia de tentativa de Lula de obstruir a justiça

Sérgio Moro deverá analisar a denúncia feita de que Lula e Delcídio tentaram obstruir as investigações da operação Lava Jato. Nessa denúncia, será analisado se o ex-presidente participou ou não da tentativa frustrada da compra do silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.

A compra do silêncio seria feita através da trama de evitar que Nestor Cerveró fizesse acordo de delação premiada com a Polícia Federal.

Também estão envolvidos no esquema e terão que responder ao processo o empresário Edson Ribeiro, o banqueiro André Esteves, o empresário José Carlos Bumlai, Maurício Bumlai e o ex-assessor de Esteves, Diogo Ferreira.

Publicidade

Demais processos de Lula ainda permanecerão no STF

Todos os demais processo que envolvem o ex-presidente permanecerão no Supremo Tribunal Federal. O motivo da permanência das denúncias no STF é que os envolvidos possuem foro privilegiado.

Entre as denúncias que estão nas mãos dos ministros do Supremo Tribunal Federal, está o processo do qual Lula é acusado de adquirir, como pagamento de propinas, um sítio em Atibaia e um apartamento tríplex no Guarujá.