A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, estabeleceu uma notificação à presidente #Dilma Rousseff para que ela seja intimada a prestar esclarecimentos sobre o porquê classifica o #Impeachment de "golpe de Estado".  A presidente afastada está sob interpelação judicial aprovada por deputados que interrogam o fato da presidente afirmar que o processo de impeachment é um "golpe". Rosa Weber definiu nesta quarta-feira (18) que Dilma seja notificada pelo pronunciamento, dando-lhe um prazo de até dez dias para que a presidente apresente uma justificativa sobre o caso.

Os deputados Carlos Sampaio (PSDB-SP), Antônio Imbassahy (PSDB-BA), Júlio Lopes (PP-RJ), Rubens Bueno (PPS-PR), Paulo Pereira da Silva (SDD-SP) e Pauderney Avelino (DEM-AM) assinaram o documento para dar início a essa ação que questiona a presidente Dilma.

Publicidade
Publicidade

Os deputados acreditam que o fato da presidente classificar o impeachment de "golpe" é um ato de alta gravidade, levando em conta toda a recente história do Brasil e que essas declarações feitas pelo partido de Dilma (PT) podem trazer impacto negativo para o país, como uma possível divisão. Na abordagem, os deputados sinalizam vários momentos em que a presidente chama o processo de impeachment de "golpe" e que está sendo vítima de um "golpe de Estado".

Dilma terá que se justificar

Na ação, os deputados dizem que “ao comportar-se da maneira como vem fazendo, a senhora presidente da República deixa toda a nação em dúvida". Os deputados sugerem que Dilma explique os motivos pelos quais ela afirma com voracidade estar passando por um "golpe" e também se justifique dizendo: quem são as pessoas responsáveis por esse "golpe"; quais procedimentos visam a denúncia feita por ela; quais serão as medidas que a presidente irá tomar no atributo de Chefe do Estado e Chefe do #Governo para que consiga retomar o poder de ser presidente da República, pois Dilma Rousseff afirma ser injustiça o que está passando; e quais instituições ferem a sua licença de governar o país.