Uma proposta bastante polêmica vem chamando a atenção de jornalistas e demais especialistas políticos que acompanham os desdobramentos da política no país, agora sob o comando de um #Governo provisório. Desde o fim da semana passada, circula em Brasília rumores de que novos ministros vão propor ao presidente interino #Michel Temer (PMDB) a legalização dos #Jogos de azar como forma de coletar mais recursos para os cofres públicos do Governo Federal.

Ainda de acordo com a polêmica proposta dos ministros, o aumento dos recursos financeiros da União, intensificado com a legalização dos jogos de azar, poderá evitar cortes em serviços essenciais do governo, que são de direito da população, como o Sistema Único de Saúde, o SUS, por exemplo.

Publicidade
Publicidade

Segundo publicação no site da Folha de São Paulo, nesta segunda-feira, 16 de maio, ao menos dois nomes próximos a Temer já se manifestaram a favor da legalização.

Trata-se de Geddel Vieira Lima (novo secretário de governo) e Henrique Eduardo Alves (novo ministro do Turismo), ambos filiados ao PMDB, assim como o presidente interino. Para Alves, os jogos de azar (bingos, cassinos, jogo do bicho, etc.) geram uma grande receita no Brasil (em torno de R$ 20 bilhões por ano), mas esta não chega ao governo por ainda existir no país de forma clandestina. Ainda segundo o novo ministro do Turismo, Michel Temer deve avaliar a proposta nos próximos dias.

Segundo a Procuradoria-Geral da República, a proposta de legalização dos jogos de azar no Brasil favorece ao crime organizado e a lavagem de dinheiro no país.

Publicidade