A ex-primeira-dama Marisa Letícia e o seu filho, Fábio Luís, o Lulinha, entraram com um pedido de reparação por danos morais contra a União. Além deles, a nora de #Lula, Renata Moreira, compõe o trio que tenta processar o próprio #Governo.

A razão para que a família Lula da Silva possa pedir uma reparação, está no fato da divulgação de conversas telefônicas terem sido divulgadas pelos investigadores da Lava Jato, nas quais a mulher de Lula chama os opositores do governo da sucessora do seu marido de "coxinhas". Os trechos divulgados tiveram a autorização prévia do juiz Sérgio Moro, responsável por conduzir toda a operação executada pela Polícia Federal (PF).

Publicidade
Publicidade

De acordo com os advogados da família, a ação impetrada em nome de Marisa pede uma indenização por danos morais que não seja inferior a R$ 100 mil reais para cada reclamante. No entendimento dos mesmos, o magistrado teria faltado com respeito às leis e isso teria causado danos aos seus clientes, pois o teor dos diálogos deveria ter sido mantido em sigilo.

Apesar de terem sido feitas em fevereiro, as gravações só foram divulgadas no mês de março e incluíram também as conversas entre Dilma e Lula.

As gravações mostram a ex-primeira-dama bastante irritada e xingando quem participou do panelaço

As gravações que vieram à tona na imprensa brasileira foram feitas no dia 23 de fevereiro deste ano. Nesta mesma data, por volta das 20 horas, o presidente Lula fez um pronunciamento gravado em vídeo para todo o país.

Publicidade

Na ocasião, Dilma não apareceu. Foi o suficiente para que, em todo o país, as manifestações contra o ex-presidente e seu partido eclodissem na forma dos chamados "panelaços". Em várias capitais brasileiras, as pessoas protestaram batendo panelas nas sacadas dos prédios.

Os diálogos interceptados pelos investigadores foram feitos por volta das 21 horas do mesmo dia. Neles, a mulher de Lula conversa com o filho mais velho de Lula, o Lulinha. Num tom irônico, o primogênito do ex-presidente pergunta se houve muita panela no prédio onde eles moravam. Marisa respondeu que "só teve panelaço nos prédios novos dos “coxinhas”, desse pessoal que não consegue comprar apartamento de 500.000 e daí ficam pagando”. Lulinha, que mora no bairro nobre de Moema, disse que havia tido algum panelaço, mas que já havia diminuído bastante. Em outro trecho, ele disse para a mãe que todos têm o direito de "bater panela". Neste momento, bastante irritada, Marisa afirmou que "queria que as pessoas “enfiassem as panelas no c...”, conforme transcrição feita pela PF. Ela afirmou ainda que não acreditava que em São Bernardo, as pessoas fizessem tal ato, pois era terra de gente lutadora e trabalhadora.

  #Crise-de-governo