A Cúpula Militar se estranhou com o #Governo da presidente afastada Dilma Rousseff, a partir de uma Resolução apresentada pelo PT. O documento redigido sob a ótica petista com referência aos 13 anos de governo do partido no Brasil, realizou uma espécie de "mea-culpa", delineando equívocos durante a administração federal nos governos Lula e Dilma. O texto foi enfático na afirmação de  que "os petistas foram descuidados por não terem alterado os currículos militares", de acordo com um dos trechos da Resolução partidária. Justamente essa parte do documento que retrata sobre a formação curricular das forças de Segurança, foi responsável por provocar enorme repulsa e indignação nos meios militares do País, ocasionando que membros de alta patente, representantes das Forças Armadas proferissem críticas contundentes aos governos petistas.

Publicidade
Publicidade

Clube Militar se pronuncia

O  presidente do Clube Militar, General Gilberto Pimentel, rebateu duramente o texto petista: " O que eles queriam, que os militares tivessem ido às ruas para defender o governo do PT?", afirmou indignado, em relação à Resolução petista, que cita, de forma crítica, a formação dos currículos militares por não terem sido alvos de alteração pelos governos petistas.

O General Pimentel foi taxativo também em relação ao respaldo dado pelos governos petistas a países como Venezuela e Bolívia,  cujas administrações são populistas: "o erro deles (PT) foi tentar nivelar o Brasil às nações administradas por governos populistas, como Bolívia e Venezuela", declarou o presidente do Clube Militar, de modo contundente. Ele foi ainda mais longe ao delinear que as Forças Armadas do Brasil são uma instituição de Estado.

Publicidade

O texto apresentado pela Resolução do PT afirma que: "deveriam ser promovidos oficiais com compromisso democrático e nacionalista, além da necessidade de modificação de currículos das academias militares", de acordo com o documento.

As críticas do General Pimentel também ecoaram junto ao ex-Chefe de Estado-Maior de Defesa, General Rômulo Bini, que afirmou que o texto desconhece totalmente o funcionamento das Forças Armadas. Vale lembrar que o descontentamento partiu tanto de generais da reserva, como também da ativa, e de acordo com outro general, que preferiu se pronunciar de forma anônima, a real intenção do governo petista era aparelhar as Forças Armadas. #Impeachment #Crise no Brasil