Foi com 15 votos a favor contra 5 contra que os senadores da comissão do impeachment de Dilma Rousseff aprovaram a abertura do processo, nesta sexta-feira, dia 6 de maio. Agora, o parecer deve ser votado novamente em até 48 horas, mas como não conta o sábado e domingo, esta votação só acontecerá no início da próxima semana ou, no mais tardar, na quarta-feira (11).

Será preciso ter o voto da maioria simples, ou seja, de pelo menos 41, no caso dos 81 senadores estarem presentes no dia. De acordo com Anastasia, agora é o momento para que o Senado possa discutir a admissibilidade do processo e ver se os elementos são suficientes para que a seja feita a abertura do processo contra Dilma.

Publicidade
Publicidade

Anastasia que é o relator do processo informou que, neste primeiro momento, somente a admissibilidade está sendo tratada e está em análise a presença ou não de uma justa causa para que o #Impeachment aconteça.

Como já era esperado, a reunião nesta sexta-feira foi tensa e houve bate-boca. Raimundo Lira do PMDB-PB iniciou os trabalhos por volta das 10h30min da manhã e logo o senador Cássio Cunha Lima, do PSDB-PB, pediu para reclamar a respeito de uma foto montagem divulgada nas redes sociais e que teria informações falsas, de acordo com ele.

Só que Lindbergh confirmou a postagem e o bate-boca teve início e Aloysio Nunes reclamou: "O senhor está reiterando a infâmia". Não satisfeito, Nunes garantiu que vai tomar todas as providências para que Lindbergh responda por seu ato no "Conselho de Ética".

Publicidade

Ricardo Ferraço, que se pronunciou pela oposição, disse que está faltando legitimidade ao atual governo que representa a "fraude e a farsa". Ferraço também alegou que o voto popular credencia e habilita a presidente Dilma, mas jamais pode ser usado como salvo conduto e muito menos como motivo de impunidade. O senador também lembrou que impeachment é o remédio mais amargo de todos e que serve para punir o mal governante.

O Senado estará julgando Dilma pelos crimes de responsabilidade que ela foi acusada na Câmara dos Deputados.

Entre os que votaram a favor do parecer, estão os partidos: PMDB, PSDB, DEM, PSB, PR, PTB, PP e PSDB.

Entre os que votaram contra o parecer, estão: PT, PCdoB e o PDT. #Dilma Rousseff #Senado Federal