O presidente interino da República, #Michel Temer, cedeu à forte pressão recebida e decidiu recriar o Ministério da Cultura (MinC). No rearranjo ministerial feito pelo peemedebista, a pasta da Cultura havia se transformado em secretaria e estava incorporada ao Ministério da Educação. Artistas e partidos oposicionistas se manifestaram contra a decisão de Temer.

Mendonça Filho, o titular da Educação, anunciou neste sábado, 21, a “volta” do Ministério da Cultura. Ele alegou que o presidente em exercício, Michel Temer, optou por recriar a pasta. Marcelo Calero, que na última quarta-feira havia sido escolhido como o secretário de Cultura, passa agora a ser o ministro da área.

Publicidade
Publicidade

Em comunicado à imprensa, Calero disse que a decisão de Temer em fazer da Cultura novamente um ministério mostra o “protagonismo” que esse setor terá no #Governo.

Através de sua conta pessoal no Twitter, Mendonça Filho informou que a recriação do MinC se dará por meio de uma medida provisória. A posse de Marcelo Calero será na próxima terça-feira, dia 25 de maio. Filho relembrou que, para o governo, o comprometimento com as questões culturais é “pleno”. O ministro da Educação disse ter conversado com Michel Temer antes dessa decisão.

"Essa é uma decisão na qual o presidente Michel Temer visa focar o bem maior, que é a cultura brasileira. Além disso, estaremos assim serenando todos os ânimos. Na pessoa do ministro Marcelo Calero, vamos potencializar e trabalhar em parceria nos projetos relativos à Educação e também à Cultura brasileira", destacou Mendonça Filho, titular da pasta da Educação.

Publicidade

Logo em que se tornou provável a sua posse como presidente, Temer de pronto anunciou que pretendia reduzir o número de ministérios como forma de diminuir os gastos com a máquina pública. Nesta linha, subtraiu a Cultura como secretaria para dentro do Ministério da Educação. A atitude gerou grande insatisfação da classe artística brasileira, que fez forte pressão para que a decisão pudesse ser repensada pela nova gestão presidencial.

Na última sexta-feira, 20, em um evento na área central do Rio de Janeiro, importantes e renomados artistas deram coro ao desejo da volta do MinC. Músicos de grande fama como Seu Jorge, Erasmo Carlos, Marcelo Jeneci e Caetano Veloso estiveram no ato cultural sediado pelo Palácio Gustavo Capanema, antigo prédio do próprio MinC e que hoje é a casa da Funarte.

O Ministério da Cultura, com este status, foi criado pelo ex-presidente José Sarney, em 1985, logo após a redemocratização brasileira que sucedeu os anos sombrios da ditadura militar. Assim como Michel Temer, Sarney não foi eleito diretamente pelo voto do povo brasileiro.

Publicidade

Ele herdou o cargo na cadeira mais importante do país após a morte de Tancredo Neves.

Outros artistas importantes como Alcione, Paula Lavigne e Fernanda Torres se manifestaram ao logo desse sábado, 21, de forma amplamente favorável à decisão do governo Temer em reativar o Ministério da Cultura. A produtora Paula Lavigne inclusive teceu elogios ao titular da pasta Marcelo Calero, que, segundo ela, "chegou bem, procurando conversa e procurando as pessoas". #Crise-de-governo